Novo sensor estilo "Band-Aid" consegue rastrear sintomas de COVID-19

Por Nathan Vieira | 05 de Maio de 2020 às 16h24
Reprodução

Quando se trata da luta contra o coronavírus, muitas organizações pelo mundo inteiro estão investindo suas forças em busca de uma solução, seja uma vacina, um medicamento ou mesmo algum dispositivo que ajude na questão dos testes. E na última segunda-feira (4), a Northwestern University (de Chicago, nos EUA) e o Shirley Ryan AbilityLab divulgaram um sensor que pode rastrear os sintomas da COVID-19.

O dispositivo funciona da seguinte maneira: detecta a natureza, a duração e o tempo das tosses, verificando o início e a progressão da COVID-19. Parece um Band-Aid, mas é um sensor sem fio flexível que fica onde a garganta e o peito se encontram, detectando problemas de tosse e respiração associados à doença em questão. O dispositivo, anunciado na segunda-feira, pode monitorar os primeiros sinais de infecção por coronavírus e a progressão da doença.

Esse adesivo, no entanto, não é invasivo e está relacionado a um sensor para monitorar a fala e a deglutição na recuperação de pacientes com AVC. O projeto foi ajustado para rastrear problemas de tosse e respiração que são centrais para o COVID-19. Vale mencionar que esse sensor também detecta a frequência cardíaca e a temperatura.

Novo sensor é capaz de rastrear os sintomas da COVID-19 (Imagem: Divulgação/Northwestern University)

Uma vez por dia, a pessoa retira o sensor e o coloca em um carregador sem fio, o que aciona o adesivo para sincronizar seus dados armazenados com um iPad próximo. A partir daí, os dados são enviados para uma nuvem, onde um algoritmo de inteligência artificial examina em busca de anomalias relacionadas à COVID-19.  Nesta fase inicial, os dados são verificados duas vezes por uma pessoa treinada, antes de qualquer indicação ser encaminhada aos médicos. Vinte e cinco participantes do teste já estão usando o dispositivo há duas semanas.

Um laboratório no campus da Northwestern, em Chicago, está produzindo dezenas de novos sensores por semana. Ele pode escalar para centenas de dispositivos por semana antes de disponibilizar o adesivo para fabricação de volume via licença. Além de tudo isso, o sensor da Northwestern se une a uma variedade de rastreadores de atividades, monitores de glicose  e sensores de pressão arterial que sugerem que em breve usaremos os sensores médicos de uma clínica para enfrentar os problemas de saúde antes que eles se tornem graves. 

Fonte: Cnet

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.