Inteligência artificial é treinada para transformar atividade cerebral em texto

Por Natalie Rosa | 02 de Abril de 2020 às 20h30
Reprodução
Tudo sobre

Facebook

Saiba tudo sobre Facebook

Ver mais

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, na cidade de São Francisco, estão desenvolvendo uma Inteligência Artificial (IA) que pode transformar a atividade cerebral em texto. De acordo com Joseph Makin, co-autor da pesquisa, o sistema pode ajudar na comunicação de pacientes que não conseguem se comunicar verbalmente ou por escrito. O projeto vem sendo financiado pelo Facebook, que apresentou a ideia ainda em 2017.

Os cientistas dizem que ainda não chegaram a um produto final, mas acreditam que o que foi desenvolvido até então pode ser a base de uma futura prótese de fala. O projeto envolveu a participação de quatro voluntários que contam com eletrodos implantados no cérebro para o monitoramento de convulsões epilépticas.

Imagem: Reprodução

Os participantes dos testes precisaram ler em voz alta 50 frases várias vezes, fazendo então o rastreamento da atividade neural. Os dados obtidos alimentaram um algoritmo de aprendizado de máquina, um tipo de sistema de inteligência artificial que converte a atividade cerebral de cada frase falada em uma sequência de números.

Inicialmente, o sistema liberou frases sem sentido, com o seu desempenho melhorando conforme foi aprendendo como as sequências de números se relacionavam com as palavras. Os pesquisadores citaram alguns exemplos de como os erros surgiram, como confundir a frase "essas músicas harmonizam maravilhosamente" com "o espinafre era um cantor famoso".

Quanto mais os sistemas forem treinados com voluntários, de acordo com os cientistas, menos treinamento poderá acontecer com o usuário final, sendo menos cansativo e com menores custos. Pesquisadoras dizem que ainda estamos bastante distantes da implementação deste recurso, sendo preciso considerar não só a precisão, como questões éticas.

O Facebook Labs, que está investindo no projeto, conta ainda com outros focos com a mesma tecnologia, pensando em como criar formas de utilizar essa medida de forma menos invasiva.

Fonte: The Guardian, Tech Facebook

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.