Hidroxicloroquina sozinha não é eficaz contra o coronavírus, diz novo estudo

Por Claudio Yuge | 25 de Março de 2020 às 17h48
Pixabay

Desde que um estudo francês encontrou evidências de que a combinação da hidroxicloroquina (um popular medicamento para a malária, lúpus e artrite reumatoide) com o antibiótico azitromicina pode reduzir o tempo de vida do novo coronavírus (SARS-CoV-2), uma multidão foi atrás dos remédios — mesmo que não haja consenso sobre isso na comunidade médica. Agora, um novo levantamento gera ainda mais dúvidas sobre a real eficácia da hidroxicloroquina, quando administrada sozinha.

Segundo um relatório publicado recentemente pelo Journal of Zhejiang University, da China, tanto os pacientes que receberam o medicamento quanto os que não tomaram a droga tiveram resultados semelhantes no combate à COVID-19. Trinta pessoas participaram do experimento e, das 15 que usaram a hidroxicloroquina, 13 apresentaram resultado negativo para o coronavírus, após cinco dias de tratamento. Dos outros 15 que não ingeriram o remédio, 14 testaram negativo — o que, estatisticamente, não representa diferença significativa.

Imagem: Reprodução/Pixabay

Parte do entusiasmo anterior ganhou chancela do presidente Donald Trump, que também se animou com a possibilidade do medicamento usado na experiência francesa ter apresentado resultados inicialmente promissores. Contudo, posteriormente, autoridades médicas ligadas à Casa Branca admitiram que são necessários mais testes.

Efeitos colaterais indesejados

No estudo chinês, realizado por pesquisadores do departamento de infecção e imunidade do Centro Clínico de Saúde Pública de Xangai, os 15 pacientes que não receberam hidroxicloroquina foram tratados com cuidados convencionais. Isso inclui repouso no leito, inalação de oxigênio e uso de medicamentos antivirais recomendados pelas diretrizes do governo.

Já na ala das pessoas que receberam hidroxicloroquina, uma das pessoas viu a COVID-19 evoluir para um quadro grave — não há exatamente uma relação disso com o medicamento, mas não houve melhora. Quatro pacientes tiveram diarreia e sinais de possíveis danos ao fígado. Com isso, os pesquisadores concluem que ainda são necessárias pesquisas mais abrangentes, com um número maior de participantes, para realmente chegar a alguma conclusão sobre os riscos e benefícios da droga, quando ministrada sozinha, ou seja, sem combinação com antibióticos e anti-inflamatórios.

Fonte: Bloomberg  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.