Aplicativo pode dizer quando um mosquito transmissor de doenças está por perto

Por Redação | 23 de Novembro de 2017 às 17h00

Mais de 700 milhões de pessoas são infectadas com doenças transmitidas por mosquitos em todo o mundo, anualmente. Desse total, mais de 700 mil acabam morrendo por conta dessas enfermidades, especialmente pelo fato de que, à primeira vista, não é assim tão intuitivo detectar se o mosquito que está o rondando é do tipo que transmite alguma doença. E esse quadro se agrava ao saber que, das 3.500 espécies de mosquitos existentes, fêmeas de cerca de 200 delas são conhecidas por picar seres humanos.

Entre as diferenças entre as espécies estão, além de características físicas sutis, o som gerado pelo rápido bater de suas asas. Para os nossos ouvidos esse ruído pode parecer o mesmo para todas as espécies, mas cientistas conseguem identificar suas sutis diferenças, e criaram um aplicativo para smartphone que, capturando esse som por meio do microfone do aparelho, informa o usuário se o mosquito que está a seu redor é de alguma espécie transmissora de doenças.

Bioengenheiros da Universidade de Stanford foram os responsáveis pela criação de um algoritmo para equipar o aplicativo, chamado Abuzz. Apesar de ainda não estar disponível para download pela população geral, em seu site podemos encontrar mais informações sobre o programa, e também podemos fazer o upload de gravações para aprimorar a análise do algoritmo.

Os pesquisadores, contudo, não recomendam que você grave o voo do mosquito de maneira irresponsável, arriscando ser picado por conta disso. Eles indicam que o mosquito seja capturado ainda vivo e armazenado em um pote ou embalagem, para que você posicione o microfone do smartphone o mais próximo possível enquanto ele estiver voando ali dentro. O legal de fazer isso, além de ajudar a equipe a aprimorar o aplicativo e, quem sabe, disponibilizá-lo à população, é que o Abuzz responderá ao seu contato depois da análise, informando se aquele mosquito que você capturou é do tipo transmissor de alguma doença grave como a Malária.

Fonte: Forbes

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.