Twitter registra queda de 27% em publicidade no fim de março com COVID-19

Twitter registra queda de 27% em publicidade no fim de março com COVID-19

Por Wagner Wakka | 30 de Abril de 2020 às 22h20
9to5google

A COVID-19 tem mostrado um padrão de impacto para redes sociais: aumento de usuários, porém com diminuição de receita com publicidade. Isso não seria diferente com o Twitter. A empresa divulgou seu relatório financeiro consolidado do primeiro trimestre, com fim em março. Apesar de ter receita crescente no comparativo anual, a empresa relatou queda em publicidade.

Os dados consolidados mostram, em um primeiro momento, aumento em receita e número de usuários. O Twitter bateu a marca de 166 milhões de usuários ativos. A métrica que a companhia usa é de “usuários diários ativos monetizáveis” (mDAU), o que exclui bots detectados pela plataforma.

Este número foi 24% maior que no mesmo período que o ano passado, apresentando crescimento, inclusive em relação ao final de 2019. “Esta é maior taxa registrada desde no comparativo anual até agora. Nós ainda somamos 14 milhões mDAUs em média comparado ao último trimestre”, informou.

Arte e dados: Twitter

Grande parte deste crescimento vem de fora dos Estados Unidos. A companhia teve aumento em 26% anualmente em usuários no mercado internacional, comparado a 17% no país norte-americano.

Receita

A elevação de usuários impactou nas receitas da empresa. Ela registrou aumento de 3% em rendimento, somando US$ 808 milhões no trimestre. Destes, foram US$ 682 milhões em publicidade, número também maior que o comparativo do começo de 2019.

A empresa também informou que teve US$ 125 milhões em “licenciamento de dados e outros”. Isso é relativo a comercialização e negociação de dados de usuários na plataforma.

Arte e dados: Twitter

Apesar do crescimento no período, o Twitter fechou o trimestre com perdas operacionais em US$ 7 milhões e queda de US$ 0,01 no rendimento por ação.

COVID-19 

Segundo a companhia, o trimestre precisa ser avaliado em dois momentos distintos. O primeiro é anterior a março. Com grandes eventos como o Super Bowl, da liga de futebol americano, ela teve o rendimento esperado. “Forte nos Estados Unidos e com fraquezas na Ásia já relacionadas à COVID-19”, aponta.

Depois de março, especificamente no dia 11, a empresa aponta mudança no cenário. “Como um indicador da rápida mudança no comportamento de publicidade, desde 11 de março (quando vários eventos começaram a ser cancelados e várias pessoas se isolaram nos EUA) até 31, nossa receita de publicidade caiu perto de 27% no comparativo anual. Esta reviravolta que vimos em março foi particularmente mais forte nos Estados Unidos”.

Para tentar segurar este problema, a companhia colocou em prática duas novas movimentações de publicidade. Ela recriou seu servidor de dados para publicidade, em um novo sistema que acredita ser mais eficientes.

Além disso, ela está lançando o formato Mobile Application Promotion (MAP), que a empresa ainda não informou como funciona. “Começamos a testar com apenas alguns poucos anunciantes”, disse.

Também, em função de mudanças drásticas e dificuldade de prever qual será o cenário, o Twitter preferiu não apresentar suas expetativas para o próximo trimestre. “Contudo, não modificamos nossa previsão anterior para o ano”, completa.

O relatório completo está disponível no site da companhia.

Fonte: Twitter

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.