BlackBerry dá sinais de melhora com bom desempenho de divisão de softwares

Por Redação | 28 de Setembro de 2017 às 11h32
TUDO SOBRE

BlackBerry

Após anos e anos amargando resultados negativos, parece que os ventos finalmente voltaram a soprar a favor da BlackBerry. Os resultados do segundo trimestre do atual ano fiscal trouxeram um desempenho recorde para a divisão de softwares da companhia, que é, atualmente, seu maior foco no mercado. O bom desempenho levou as ações da canadense a uma alta de quase 10% na abertura das negociações nesta quinta-feira (28).

Os números do período encerrado em 31 de agosto trouxeram desempenho recorde para a divisão de softwares, com 3,3 mil clientes corporativos e um aumento de 10% nesse portfólio. Isso levou as margens a saltarem de 67% para 76% nos últimos três meses, dando origem ao resultado favorável demonstrado pela companhia.

Além da continuidade dos trabalhos com clientes antigos e obtenção de novos, a BlackBerry citou duas conquistas como os principais motores para o resultado. A primeira foi a assinatura de um contrato com a Delphi Automotive para fornecimento de tecnologias relacionadas a carros autônomos, com lançamento previsto para 2019, além da assinatura de um contrato de licenciamento para sua versão customizada do Android.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Esse segundo aspecto é uma das principais plataformas do CEO da companhia, John Chen, para transformar a antiga fabricante em uma companhia focada em software, mas sem perder sua experiência no segmento mobile. O relatório não trouxe mais detalhes sobre o acordo nem a marca com quem o licenciamento foi fechado.

Como resultado de tudo isso, o faturamento da divisão de softwares e serviços teve um crescimento de 26%, com vendas que chegaram a US$ 249 milhões e ultrapassaram as estimativas de investidores e especialistas, que eram de US$ 220,8 milhões. Apesar disso, o total representa uma queda em relação aos US$ 352 milhões registrados no ano passado.

A BlackBerry explica isso de forma simples, dizendo que os tempos, em 2016, eram outros. Lá atrás, a empresa ainda estava focada na fabricação de smartphones e no fornecimento de aparelhos para clientes corporativos, principalmente aqueles do setor governamental. Desde então, houve reestruturação e um novo alinhamento de expectativas e trabalhos. O faturamento menor já era esperado, mas também é citado pela companhia como mais “saudável”.

Outros números são apresentados pela antiga fabricante como prova disso. É o caso, por exemplo, dos ganhos de US$ 19 milhões durante o segundo trimestre do atual ano fiscal, com valorização de US$ 0,04 por ação. É um crescimento orgânico, afirmou Chen, que deve aumentar cada vez mais na medida em que os esforços de reorganização vão surtindo efeitos.

Para o fim do atual ano fiscal, encerrado em março, a expectativa é de um crescimento que vai de 10% a 15%, com um faturamento que varia entre os US$ 920 milhões e US$ 950 milhões. Com os resultados do segundo trimestre, Chen e a diretoria da BlackBerry soam confiantes na obtenção da meta. E o mercado parece concordar com isso.

Fonte: Bloomberg, Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.