Pesquisa aponta crescimento vertiginoso de chatbots no Facebook Messenger

Por Ramon de Souza | 08 de Maio de 2018 às 15h10
New York International

O Facebook já serviu como ponte para a troca de 2 bilhões de mensagens entre internautas e chatbots (programas de inteligência artificial feitos para atender clientes), aponta um recente relatório divulgado pela própria rede social. O insight serve como uma prova de que o conceito de I.A. está cada vez mais próximo do consumidor comum, alterando radicalmente a forma como os consumidores se relacionam e interagem com as marcas.

Se há alguns anos era impensável procurar o suporte de determinada empresa em uma rede social, hoje em dia, 70% dos brasileiros se dizem dispostos a conversar com corporações através do Messenger ou do WhatsApp, revela uma pesquisa da Opinion Box em parceria com a Take. Ao entrevistar consumidores de diversos perfis, as agências descobriram que 40% deles preferem manter contato através de mensagens de texto; 30% optam por conversas via voz e outros 30% preferem ser atendidos presencialmente.

“O crescente uso de aplicativos de mensagens tem modificado a relação entre as marcas e clientes impulsionado a adoção dos chatbots, robôs capazes de interagir via chat no atendimento ao cliente”, explica Roberto Oliveira, CEO da Take. A companhia dedica-se a desenvolver chatbots personalizados e assistentes pessoais — softwares que são capazes de tirar dúvidas pontuais, realizar agendamentos e até prestar um atendimento prévio antes que seja necessária a intervenção de um ser humano.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

“É natural que as pessoas estejam abertas a interagir nesses canais por causa das facilidades que eles representam no dia a dia. Automatizar esse atendimento é importante para trazer agilidade, mas a conversa com um bot também pode ser frustrante, por isso, mais do que construir um chatbot, é preciso preparar muito bem. Precisamos ficar atentos porque as pessoas querem ter a mesma experiência que teriam se fossem atendidas por humanos”, complementa o executivo.

Fonte: CIO

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.