No tapetão: punição permanente de Trump no Facebook será definida por conselho

Por Rui Maciel | 22 de Janeiro de 2021 às 13h50
Tudo sobre

Facebook

Saiba tudo sobre Facebook

Ver mais

O Facebook anunciou na última quinta-feira (21) que os perfis de Donald Trump podem ser suspensos indefinidamente de suas redes sociais. No entanto, a decisão ficará a cargo do conselho de supervisão independente, que leva o nome de Oversight Board. Por enquanto, o ex-presidente dos EUA segue impedido de utilizá-las.

No último dia 06 de janeiro, partidário de Trump invadiram o Capitólio para protestar contra a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais e impedir sua ratificação pelo Congresso e Senado. O tumulto resultou em cinco mortos e dezenas de presos. Preocupado com novos distúrbios, o Facebook bloqueou o acesso de do ex-presidente às suas contas no Facebook e Instagram - essa suspensão duraria até a posse de Biden, que ocorreu na última quarta-feira (20).

Este conselho, que foi criado recentemente, pode anular as decisões do próprio Facebook sobre o conteúdo, revisando decisões tomadas anteriormente. No entanto, em entrevista à agência de notícias Reuters, Nick Clegg, chefe de assuntos globais do Facebook, afirmou que está muito confiante quanto à resolução do caso.

“Estou muito confiante de que qualquer pessoa razoável, examinando as circunstâncias em que tomamos essa decisão e examinando nossas políticas existentes, concordará [com a suspensão de Trump]”, afirmou Clegg. “Mas é claro que esta é uma decisão que teve repercussões em todo o mundo. É a primeira vez que a empresa bloqueia um atual presidente, primeiro-ministro ou chefe de estado".

Decisão sobre suspensão não será imediata

O Facebook não pediu uma revisão rápida sobre o fim ou não da suspensão. Logo, o conselho afirmou ontem que aceitou o caso e declarou que terá, no máximo, 90 dias para chegar a uma decisão e para que o Facebook aja a respeito. Já um porta-voz do Oversight Board disse, muito provavelmente, o posicionamento final sobre a questão ocorreria antes desse prazo.

O Facebook também pediu ao conselho para fornecer recomendações sobre quando os líderes políticos podem ou devem ser bloqueados. Importante mencionar que a empresa não precisa agir de acordo com essa recomendação, ao contrário da decisão do conselho, que deve ser vinculativa.

Além disso, os administradores da página de Trump no Facebook terão a opção de enviar uma declaração por escrito contestando a decisão da rede social.

Resposta às críticas

O Oversight Board foi criado pelo Facebook como uma resposta às críticas em relação ao seu gerenciamento de conteúdos considerados problemáticos, como discursos de ódio, racismo e fake news. Atualmente, o conselho de supervisão conta com 20 membros - um deles é Helle Thorning-Schmidt, co-presidente do grupo e ex-primeira-ministra da Dinamarca.

No entanto, o conselho tem sido criticado por seu por estar atrasado no início de suas atividades - o grupo ainda não se manifestou sobre seu primeiro lote de casos - e também pelo mandato limitado.

Responsabilidade

Ainda segundo Nick Clegg, Donald Trump não foi informado da decisão do Facebook de suspendê-lo indefinidamente, até a decisão do conselho. De acordo com o executivo, embora tenha sido uma decisão controversa, por se tratar do então presidente dos Estados Unidos, congelar seus perfis não foi uma decisão particularmente complicada de tomar. Isso porquea empresa viu que havia uma "ligação cristalina entre as palavras de Trump e as ações das pessoas na invasão ao Capitólio".

Não só o Facebook, mas também outras redes sociais, vêm sendo duramente criticados pela proliferação da retórica violenta e de desinformação eleitoral em suas plataformas. E Trump e seus aliados vinham sendo entre os mais ativos nessa prática. A invasão ao congresso - organizada majoritariamente nas redes sociais - foi a gota d´água e fez com que as empresas de social media tomassem providências. O Twitter, por exemplo, resolveu banir o perfil do ex-presidente permanentemente.

Questionado se o Facebook tem responsabilidade parcial pelas ações que levaram à invasão do Capitólio, Clegg disse: “Aceito que sempre haverá pessoas que dizem que sabíamos que isso iria acontecer. Mas atrevo-me a dizer: essas questões nunca são tão simples assim.

Fonte: Reuters  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.