Bolsonaro supera Trump como o líder mundial de maior engajamento no Facebook

Por Rafael Arbulu | 11 de Abril de 2019 às 12h39

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro, eleito em outubro de 2018 e assumindo o cargo em 1º de janeiro de 2019, é o líder mundial com a base mais ativa de seguidores nas redes sociais. A informação foi constatada pelo levantamento World Leaders on Facebook 2019 (“Líderes Mundiais no Facebook 2019”, na tradução literal) conduzido como parte da pesquisa anual “Twiplomacy”, feita pela agência internacional de relações públicas e assessoria de imprensa Burson Cohn & Wolfe.

De acordo com o estudo, o presidente brasileiro alcançou cerca de 145 milhões de interações em sua página oficial no Facebook nos últimos 12 meses — quase o dobro do segundo lugar, ocupado pelo presidente norte-americano Donald Trump, com aproximados 84 milhões de interações. O dado é interessante devido ao poder de engajamento concentrado pelas duas páginas: Trump tem quase o dobro de seguidores que Bolsonaro, mas a base do presidente brasileiro é mais ativa.

O estudo não atribuiu motivos para os números citados.

Em números de seguidores, porém, nem Trump, nem Bolsonaro têm a liderança: o primeiro lugar fica com Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia, com 43,5 milhões de curtidas em sua página oficial, além de 13,7 milhões de likes na página institucional do ministério. Trump, porém, vem novamente na segunda posição, com 23 milhões de likes em sua página oficial. Em terceiro lugar, temos a rainha Rania al Yassin, da Jordânia, com 16,9 milhões de likes.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro pode não ter o maor número de seguidores, mas tem a base mais engajada do mundo no Facebook

O levantamento considerou os últimos 12 meses de atividades nas páginas de 962 chefes de Estado e ministérios de liderança — 50 a mais que a edição anterior, de 2017. No valor total combinado, as páginas amealharam 345 milhões de curtidas e publicaram 449.739 posts no último ano, engajando 767 milhões de interações — comentários, curtidas e compartilhamentos.

Vale citar que, a fim de se contrapor às recentes mudanças de algoritmo do Facebook, muitos desses líderes se valeram de postagens promovidas, ou seja, o incentivo de conteúdos pagos via Facebook Ads e resultados sociais inorgânicos no Google (Google Ads).

“Nosso último estudo ‘Twiplomacy’ confirma que, mesmo entre figuras polítias que naturalmente atraem a atenção do público nas redes sociais, uma estratégia paga ainda é essencial para assegurar profundidade e influência, trazendo um enorme impacto”, disse Chad Latz, Chief Innovation Officer da BCW. “Mais além, nós podemos ver como alguns líderes são muito bem-sucedidos e abordáveis na plataforma, usando todas as ferramentas à disposição, desde o Facebook Live até o Facebook Stories, para engajar aos seus públicos”.

O estudo completo já está disponível para leitura na página oficial da BCW.

Fonte: World Leaders on Facebook 2019

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.