Anonymous diz ter provas que ligam Trump a tráfico e exploração de crianças

Anonymous diz ter provas que ligam Trump a tráfico e exploração de crianças

Por Claudio Yuge | 01 de Junho de 2020 às 12h41
Anonymous

O final de semana foi bastante intenso e movimentado nas ruas de todo o mundo e nas rede sociais. Além da pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), vimos protestos contra racismo nos Estados Unidos e em várias cidades ao redor do globo devido à morte de George Floyd; e passeatas políticas no Brasil. Em meio a esse turbilhão, o Anonymous voltou à cena após as bombásticas revelações feitas pela série Jeffrey Epstein: Podre de Rico, disponível na Netflix.

A série reúne várias vítimas de Epstein, que fez riqueza no mercado financeiro e era acusado de contratar prostitutas menores e de comandar uma rede de tráfico internacional de adolescentes. Em 2008, ele chegou a ser condenado, mas apenas pelo crime de contratação de prostituição, em um processo judicial bastante controverso conduzido pelo procurador Alexander Acosta.

De acordo com a atração da Netflix, o caso acabou abafado porque Epstein nutria relações próximas com muitos poderosos, incluindo milionários como Donald Trump e John Casablancas, o ex-presidente Bill Clinton e o Príncipe Andrew. Além disso, Epstein costumava fazer doações generosas para pesquisas científicas, então era bem-visto na comunidade de docentes nos EUA. Assim, o executivo cumpriu sua sentença de 18 meses de prisão, de forma, digamos, “diferenciada”, como revelam as informações da série.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Série da Netflix fez diversas revelações contra políticos e celebridades (Reprodução/Netflix)

Anos depois, o movimento #MeToo, que viralizou em 2017 ao trazer declarações de milhares de mulheres vítimas de assédio ou agressão sexual, trouxe à tona acusações a famosos, incluindo o produtor de cinema Harvey Weinstein e o próprio Epstein. O FBI retomou o caso de Epstein e incluiu a acusação de tráfico de menores. Somados aos vários processos ao longo das décadas, tudo isso resultou em sua prisão no dia 6 de julho de 2019.

No dia 23 de julho daquele ano, Epstein foi encontrado ferido e semiconsciente em sua cela, com marcas em volta do pescoço, sob suspeita de tentativa de suicídio ou ataque. Após confirmada a sua morte, várias teorias especulam uma possível “queima de arquivo” por parte de poderosos envolvidos em suas "festinhas" e teia de tráfico internacional de menores.

Todos os citados na série negam envolvimento com Epstein e políticos como Bill Clinton, o Príncipe Andrew e o próprio Trump dissociaram suas relações passadas com o executivo. Acosta, que havia sido promovido a secretário do Trabalho no início do governo Trump, renunciou ao cargo após esses episódios e disse que a decisão não tinha ligação com sua conduta no caso Epstein — que voltou a ser criticada depois da nova condenação.

Algumas das vítimas de Epstein, que participaram do seriado (Reprodução/Netflix)

Tudo isso foi mostrado na série, com depoimentos de várias vítimas e muitas evidências. Neste ano, o FBI recolheu bastante material de computadores, arquivos, celulares e outras supostas provas no apartamento de Epstein, em Nova Iorque. Como o executivo tinha câmeras em todas suas mansões nas Ilhas Virgens, Palm Beach, Nova Iorque e Paris, há suspeitas de que os conteúdos dessas apreensões possam implicar em processos contra vários outros bilionários, empresários e celebridades. O que nos leva ao Anonymous.

Anonymous faz graves acusações

Na madrugada deste domingo (31), o grupo Anonymous voltou à cena depois de Donald Trump considerar o movimento antifascista de esquerda Antifa como militantes extremistas e “terroristas” nos protestos antirracistas pela morte de George Loyd. Os hackers acusaram o presidente dos EUA de ser um dos envolvidos diretos na rede de tráfico comandada por Epstein e até que ele teria ordenado sua execução para eliminar possíveis ligações entre ambos.

O Anonymous disse ainda ter fotos de Trump com menores de idade e divulgou uma lista de pessoas que eram supostamente chantageadas por Epstein — especula-se que esses conteúdos tenham sido parte do que foi apreendido pelo FBI nas residências do executivo. Nesse suposto documento constam os nomes de Trump, a ex-supermodelo Naomi Campbell, John Casablancas (dono da Elite Model e pai do vocalista dos Strokes), advogados da família Kennedy e até empresários brasileiros, como Pedro Paulo Diniz e Mário Garnero (pai de Álvaro Garnero).

Lista de supostos envolvidos com Epstein, divulgada pelo Anonymous (Reprodução/Anonymous)

O grupo também recomendou “olhar para o Brasil e investigar se Bolsonaro tem ligações com o traficante de crianças e o estuprador John Casablancas, um parceiro próximo de Trump”.

Vale destacar que nada disso foi comprovado e que não há provas concretas, nem mesmo confirmações de nenhum dos acusados ou do FBI — e nem mesmo há declarações sobre quaisquer abertura de inquéritos ou investigações em andamento a respeito dessas acusações.

E, embora todas as atenções estivessem voltadas para as manifestações pelo mundo e no Brasil, tudo isso caiu como uma bomba no Twitter. O Anonymous e o assunto dominaram os Trending Topics das últimas horas e o caso ainda promete causar muito barulho. Enquanto isso, seguimos acompanhando para atualizar as consequências das revelações feitas pela série da Netflix e as acusações feitas pelo grupo hacker.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.