Review GoPro Hero10 Black | Um pouco além de uma simples câmera de ação

Por Felipe Junqueira | Editado por Léo Müller | 02 de Junho de 2022 às 17h54
Ivo Meneghel Jr/ Canaltech

A GoPro Hero10 Black traz um dos maiores saltos geracionais dos últimos tempos às câmeras de ação da empresa. Mesmo assim, a companhia repete o fator de forma para quem quiser aproveitar acessórios da geração anterior.

Entre os destaques evolutivos, temos uma resolução ainda maior, com vídeos em até 5,3K, e um processador mais poderoso. Assim, a décima geração da GoPro é capaz de captar muito mais quadros por segundo sem perder qualidade. E mantém, também, a estabilização que é seu grande ponto forte.

Eu testei a câmera de ação e conto a seguir os principais pontos da nova versão. Além da análise, você também pode conferir alguns vídeos captados com a GoPro Hero10 Black a seguir.

Design e Construção

  • Dimensões: 71,8 x 50,8 x 33,6 mm;
  • Peso: 154 g.

A GoPro Hero10 Black tem tamanho compacto e é bem leve. Não encontrei a informação do peso dela no site oficial da empresa, mas pesei eu mesmo em uma balança para chegar a 154 gramas com bateria e cartão micro SD instalados.

A companhia repetiu o fator de forma da HERO9 Black, ou seja, manteve não só as dimensões, como também o formato em si. Com isso, todos os acessórios da geração anterior podem ser usados com a nova versão.

A Hero10 Black tem uma lente de câmera removível bem grande na frente. É possível trocar por um módulo Max, com ângulo de visão ainda mais amplo. Mas é vendido separadamente. Ainda na frontal, há uma tela para ajudar no enquadramento ao filmar a si mesmo e um microfone.

Aparência da Hero10 Black não foge muito do que estamos acostumados a ver nas GoPro (Imagem: Ivo Meneghel Jr/Canaltech)

No lado direito, além do nome do modelo, tem o botão de modo e um dreno do microfone. Não é uma porta nem uma trava, é apenas um espaço para drenar água. Não tente mexer ou removê-lo.

Na esquerda, fica uma porta com trava na parte inferior. Bateria, conector USB-C e entrada para o cartão micro SD ficam atrás dela. Embaixo, ficam as hastes dobráveis para prender a câmera em suportes. Na parte de cima, tem apenas o botão de captura. A construção une metal com plástico e vidro.

A câmera suporta até 10 metros de profundidade em água. A lente possui proteção hidrofóbica, e o material no geral também é resistente a riscos. Ou seja, pode mergulhar a GoPro Hero10 Black em água à vontade, além de usá-la para filmar seu trajeto durante a prática de esportes de todo tipo.

Apesar disso, é bom tomar um pouco de cuidado com as quedas, pois os componentes internos podem não resistir tão bem. Claro que alguns acidentes não vão tornar sua GoPro inutilizável, mas um pouco de zelo com um equipamento que não é barato não faz mal a ninguém.

Tela

  • Traseira: LCD de 2,27 polegadas, sensível ao toque;
  • Frontal: LCD de 1,4 polegada.

As primeiras gerações da GoPro não tinham nem mesmo um visor embutido. Atualmente, são dois: um frontal, que serve apenas para ajudar no enquadramento se você quiser filmar a si mesmo; e uma tela traseira sensível ao toque.

Ambos possuem brilho muito bom, e eu consegui manter em 50% durante todo o uso. Isso garantiu visibilidade confortável tanto em ambientes internos quanto embaixo da luz do Sol. Além de não consumir muita carga da bateria.

A companhia não informa as resoluções dos visores, mas são bons o bastante para a proposta. Ou seja, a tela frontal oferece um bom espelho do que está sendo capturado, enquanto a de trás não só mostra o que a lente enxerga, como oferece alguns atalhos.

Você pode mudar facilmente o modo de captura entre lapso de tempo, vídeo e foto, ou alterar as configurações de captura. E também pode ajustar outras configurações da câmera e até assistir aos vídeos e conferir as fotos feitas na GoPro.

Vídeo: caminhada ao lado do mar

Configuração e Desempenho

Há pouca informação sobre o hardware usado na GoPro Hero10 Black. A empresa informa que incluiu um novo processador GP2 que “faz desta a GoPro mais avançada de todos os tempos”. Mas não entra em muitos detalhes sobre ele, além de dizer que é duas vezes mais veloz.

O que eu posso dizer é que o dispositivo é bastante responsivo dentro do que se propõe a fazer. Os menus de navegação são relativamente rápidos. Só notei um pouco de atraso na hora de deslizar para cima para acessar a galeria de capturas. E aí fica mais fácil baixar as prévias no celular, mesmo.

Aliás, o app GoPro Quik é bem interessante, e eu recomendo bastante que você tenha no seu smartphone. O pareamento é bem simples e rápido, com um tutorial na tela do celular para ajudar. E aí dá para baixar as mídias, editar e compartilhar facilmente.

Tela frontal é ótima para ajudar no enquadramento de vídeos tipo selfie (Imagem: Ivo Meneghel Jr/Canaltech)

Outro problema bastante comum é o superaquecimento. A GoPro Hero10 Black limita o tempo de gravação nas resoluções mais altas, e corta o vídeo em 25 minutos de 5,3K e 35 minutos de 4K, aproximadamente. O timelapse também não capta por muito tempo, ficando em torno de 30 minutos.

Lembrando que o tempo de captação pode variar de acordo com a temperatura ambiente. Quanto maior o calor, menos tempo a GoPro vai suportar sem desligar por superaquecimento. E você pode reduzir a taxa de quadros para garantir um tempo de gravação maior, também.

Usabilidade

Navegar na tela da GoPro Hero10 Black é bem simples: basta tocar nos ícones para entender o que cada um representa. Um menu com mais ajustes se abre, e assim você pode mudar, por exemplo, a resolução do vídeo ou até mesmo a taxa de quadros.

Ao deslizar para baixo, você abre o menu de configurações, pelo qual pode ajustar brilho da tela e várias outras opções. Deslizando para cima, você vai para o rolo da câmera, pelo qual pode assistir aos vídeos gravados e conferir as fotos feitas com a GoPro.

Interface da Hero10 Black é intuitiva (Imagem: Ivo Meneghel Jr/Canaltech)

É possível personalizar os atalhos com até quatro ajustes pré-definidos, para agilizar as mudanças de quadro ou resolução na hora de gravar. Além disso, a Hero10 Black também aceita alguns comandos de voz para iniciar ou parar a gravação.

Apesar de ser possível ver a galeria na câmera, fica mais fácil de visualizar no celular, usando a conexão pelo app Quik. Nele ainda é possível fazer edições rápidas nas gravações. Alguns recursos, porém, são pagos. É necessário escolher entre dois níveis de assinatura, cujos valores variam.

Ambos oferecem edição de vídeo ilimitada com ferramentas premium, importação ilimitada de fotos e vídeos para o celular e até espaço na nuvem para armazenar suas capturas. Para quem usa bastante, vale a pena conferir.

Vídeo: lapso de tempo do pôr do sol

Câmera

  • Foto: até 23 MP;
  • Vídeo: até 5,3K a 60 FPS, compatível com 4K a 120 FPS e 2,7K a 240 FPS.

Diferente dos celulares modernos, a GoPro tem apenas uma câmera, mas traz recursos que fazem dela várias câmeras em um único sensor. O dispositivo é capaz de oferecer até quatro ângulos de visão digitalmente: uma lente ampla, outra linear, uma estreita e mais uma ampla com nivelamento de horizonte.

Isso na gravação em 5,3K. Usando vídeos em 4K, 2,7K ou 1080p, uma lente SuperView é adicionada, com captações em alto desempenho. Já aviso que, apesar de serem vídeos mais fáceis de editar para adicionar câmera lenta e outros recursos, nem todo celular suporta esse recurso.

Em comparação com a antecessora, o salto está mais na taxa de quadros suportada do que na resolução em si, que subiu apenas de 5K para 5,3K. Agora, a GoPro Hero10 Black é capaz de gravar em até 60 fps na maior resolução, e chega a 120 fps em 4K, o dobro da Hero9 Black.

GoPro Hero10 Black já tem um kit com tripé e alguns outros acessórios (Imagem: Ivo Meneghel Jr/Canaltech)

Com isso, a ação fica mais fluida no quadro. E para aproveitar melhor toda essa fluidez, a câmera conta com uma estabilização incrível, que ainda pode ser melhorada digitalmente após a captação, pelo app Quik, no celular, ou pelo GoPro Player, no Windows ou no Mac.

A imagem tem um contraste bem marcante e saturação forte, mas é possível alterar para um perfil de baixo contraste nas configurações. Aí você ganha um espaço maior para editar do jeito que preferir.

Apesar de a GoPro falar que esta é a melhor câmera da empresa para captação com pouca luz, achei que a Hero10 Black ainda deixa a desejar neste cenário. As cores ficam bem apagadas, há muitos ruídos e até mesmo a estabilização, grande ponto forte da câmera, fica ruim.

Vídeo: lapso de tempo

Além dos vídeos de ação

E além de gravar vídeos de ação, o dispositivo também pode tirar fotos e fazer captações em lapso de tempo. Em ambos os casos, é possível contar com a boa estabilização para imagens de alta qualidade e nitidez.

Mas recomendo cautela com o timelapse em movimento: se gravar com a GoPro nas mãos, o resultado pode ficar bem ruim. Dá para usar como câmera de trânsito ou para gravar seu trajeto de bicicleta e afins.

Por fim, a GoPro Hero10 Black também funciona como webcam quando conectada a um computador macOS ou Windows. A qualidade de captação é bem melhor do que muitos dispositivos dedicados, mas não vejo como um bom investimento comprá-la unicamente para isso.

Agora, se você já vai usar a câmera para outras captações, fica legal aproveitar a qualidade e o campo de visão maiores nas transmissões online, seja em sites de streaming ou apenas para videochamadas com amigos.

Vídeo: caminhada noturna

Bateria e Carregamento

A GoPro Hero10 Black tem a mesma bateria de sua antecessora, inclusive com retrocompatibilidade. São 1.720 mAh de capacidade, com duração que vai variar dependendo da resolução da captação e recursos utilizados.

Eu fiz algumas gravações, começando com a resolução em 1080p, e depois passei para o 4K a 60 fps. Foram cerca de 10 minutos de captação, sendo que uma em Full HD foi um lapso de tempo que resultou em um vídeo de 45 segundos. A bateria caiu para 69%.

Em outra ocasião, eu programei a câmera para fazer uma filmagem de 30 minutos em lapso de tempo, para gravar o amanhecer. O vídeo final ficou com 2 minutos, sendo que a câmera ligou e desligou sozinha, pelo agendamento. Neste caso, a bateria caiu para 38%, depois de ainda enviar arquivos para o celular, sem fio.

Em resumo, a bateria deve aguentar uma média de uma hora de gravação em 4K sem grandes problemas. Mas tudo vai depender do tipo de vídeo que você precisa fazer e que recursos adicionais vai usar. E dá para extrair mais tempo em 1080p, claro.

Concorrentes Diretos

Eu vou ser direto aqui: não há concorrentes diretos para uma GoPro. Até existem outras câmeras de ação parecidas, mas não chegam a rivalizar com a qualidade de imagem e construção oferecida pela marca mais famosa.

E, como eu não testei nenhuma outra, prefiro não citar nomes aqui para ninguém arriscar e ficar insatisfeito depois. A única recomendação que eu posso fazer é que você cheque a lista de recursos de outras gerações da GoPro, pois pode valer a pena economizar em um lançamento anterior, dependendo da sua necessidade.

Vídeo: andando de bicicleta

GoPro Hero10 Black: vale a pena?

A GoPro Hero10 Black trouxe algumas melhorias em comparação com a versão anterior, mas nem por isso você precisa correr para atualizar sua câmera de ação. A menos que você queira aproveitar a taxa de quadros maior para captar suas aventuras com mais fluidez, claro.

O mais interessante é que o dispositivo vai um pouco além de filmar com estabilização impressionante — que, ainda por cima, pode ser melhorada em edição no computador. A Hero10 Black é a terceira geração que tem suporte para ser usada como webcam.

Somadas às características de resistência a riscos e água, ela se torna a melhor opção para gravar a prática de esportes, seja ele em terra ou na água. No entanto, se a sua ideia é fazer vídeos mais cotidianos, talvez o seu celular já sirva bem, e não vejo necessidade de investir em outra câmera.

Dito isso, quem procura o melhor dispositivo para gravar vídeos de ação, tem que dar uma boa olhada em tudo que a GoPro Hero10 Black oferece. Não há câmeras de ação com tanta qualidade no mercado atualmente.