Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

O que é dropshipping? Empreendedores lucram usando redes sociais

Por| Editado por Claudio Yuge | 12 de Abril de 2022 às 20h20

Link copiado!

Reprodução/Handy Wicaksono/Unsplash
Reprodução/Handy Wicaksono/Unsplash

Uma nova modalidade de entregas de compras online chamada dropshipping vem sendo uma opção interessante para muitas lojas e sites de e-commerce que não têm o produto em estoque. Aqui, o comerciante atua como um intermediário entre o fornecedor que tem a mercadoria e o cliente final.

No dropshipping (ou remessa direta), quem recebe e processa o pagamento dos produtos e também se encarrega da logística é o fornecedor, que pode estar em qualquer lugar do mundo. O revendedor usa o estoque dos seus fornecedores como um buffer inventory (pulmão de estoque) — na prática, funciona como um estoque extra além dos pertencentes à loja.

Para muitos varejistas, o dropshipping traz a grande vantagem de não ter os custos relacionados ao estoque, como manutenção, pessoal e cuidados com armazéns. Mas há o risco também do produto não estar no estoque do fornecedor no momento do pedido, ou ocorrer em problemas de logística.

Continua após a publicidade

Por ser um método incomum, há empreendedores que lucram ensinando-o a outros lojistas. É o caso de Maurecy Moura. “Temos casos de pessoas que vendem artigos diretamente dos fabricantes da China. Dependendo da plataforma em que a venda é processada, o vendedor recebe o dinheiro em conta na mesma hora”, afirmou à Exame. Também existem consultorias que ajudam empreendedores a encontrar empresas adequadas de dropshipping.

Moura é conhecido por divulgar cursos e dicas de como vender mais e melhor usando redes sociais como Instagram e TikTok. Como exemplo de sucesso do dropshipping, ele cita uma aluna que vende vestidos de noiva sem saber costurar. “Com um fornecedor de confiança da Ásia, ela negocia e vende, diariamente, dez vestidos de noiva. Isso permite que ela lucre, em média, de R$ 5.000 a R$ 10.000 por mês”, diz Moura.

Fonte: Exame