Riot Games anuncia acordo depois de ação coletiva contra cultura sexista

Por Nathan Vieira | 23 de Agosto de 2019 às 16h45
Divulgação

Quando se trata da indústria de videogames, o sexismo ainda é uma questão a ser solucionada. Isso reverbera tanto no público (como as jogadoras de Fortnite ressaltaram durante a Copa mundial do jogo em questão) quando nas próprias corporações que desenvolvem os games. Foi com isso em mente que mais de 150 funcionários da Riot Games (empresa por trás de titulos famosos como o League of Legends) saíram de seus escritórios em Los Angeles para protestar, em maio deste ano.

A ideia por trás dos protestos era combater a cultura sexista que envolve a empresa. Três meses depois, a Riot entrou em acordo para resolver uma ação judicial que abordava a desiguladade de pagamento e promoções de funcionários baseada em seu gênero, além de assédio sexual e retaliação contra mulheres.

Nesta sexta-feira (23), a empresa anunciou: "Nós acreditamos que o acordo permitirá que nós continuemos nosso momento em fazer da Riot uma líder em locais de trabalho inclusivos". A situação em torno da desigualdade de gêneros tomou fôlego quando a Kotaku publicou um artigo investigativo sobre o sexismo, com direito a entrevistas com 28 funcionários atuais e antigos da companhia. No entanto, os detalhes do acordo não estão finalizados, então ainda não se tem conhecimento de qual vai ser o resultado.

O que se sabe é que a Riot alega ter investigado a questão do sexismo em seus escritórios em diversos países. "Discriminação de gênero (em pagamento ou promoção), assédio sexual e retaliação não são questões sistêmicas na Riot", a empresa afirmou. Além disso, a desenvolvedora ainda ressaltou que viu um cansaço considerável entre os funcionários, que foram drenados pelo envolvimento constante com as manifestações e com a mídia. Vale perceber que essa foi apenas uma das cinco ações judiciais contra a Riot no início do ano.

League of Legends, um dos jogos lançados pela Riot Games (Foto: Divulgação)

A Riot Games foi fundada em 2006, em Los Angeles, e já lançou e distribuiu na América Latina, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos, Filipinas, Singapura, Vietnã, Malásia, Tailândia, Canadá, Hong Kong, Macau, Coreia do Sul, Taiwan, China, Europa, Brasil e Indonésia. Na China, o acionista primário da Riot, a Tencent, distribui o jogo online. Em seu portfólio constam jogos como League of Legends (2009), D.O.T.A (2009) e Astro Teemo (2013).

Fonte: Engadget

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.