Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Executivo da Acer vê escassez de chips diminuindo nos próximos meses

Por| 06 de Abril de 2021 às 17h55

Link copiado!

Executivo da Acer vê escassez de chips diminuindo nos próximos meses
Executivo da Acer vê escassez de chips diminuindo nos próximos meses
Tudo sobre Acer

A escassez global de chips para eletroeletrônicos está começando a diminuir, com o cenário melhorando consideravelmente já no segundo semestre deste ano. A previsão foi feita por Andrew Hou, presidente da Acer para as Operações Pan-Ásia-Pacífico.

Hou disse que as vendas em sua região, que exclui a China, estão crescendo, à medida que empresas e governos procuram laptops para ajudar as pessoas a estudar e trabalhar em casa. Segundo o executivo, “o que está faltando não são os chips de ponta - são aqueles com os quais as pessoas há muito tempo não se importavam.”. Com sede em Taiwan, a Acer é a a quinta maior fornecedora de PCs do mundo em remessas.

Hou afirmou ainda, durante conversa com repórteres em Taipei que desde que o problema se tornou mais visível, a partir do quarto trimestre do ano passado, a cadeia de suprimentos “entrou em ação”, enquanto os fornecedores trabalhavam para resolver a situação. Ele afirmou esperar por uma maior quantidade remessas de chips no segundo trimestre em comparação com o primeiro trimestre deste ano. Além disso, a situação no segundo semestre será melhor do que no trimestre anterior.

Continua após a publicidade

Escassez começou na indústria automotiva e se alastrou

De atrasos nas entregas de carros a uma escassez no fornecimento de eletrodomésticos e smartphones mais caros, empresas e consumidores em todo o mundo estão enfrentando o impacto de uma falta sem precedentes de microchips e semicondutores.

Essa escassez decorre de uma confluência de fatores, já que as montadoras, que fecharam fábricas durante a pandemia COVID-19 no ano passado. Além disso, elas competem com a crescente indústria de eletrônicos de consumo pelos suprimentos desses chips.

Obrigados a ficar em casa para manter o distanciamento social durante a pandemia, os consumidores passaram a demandar mais laptops, videogames e outros produtos eletrônicos nesse período - e que pegou diversas indústrias de surpresa, resultando em estoques mais restritos. Além dos eletroeletrônicos, também foram comprados mais carros do que o setor automotivo esperava, exigindo ainda mais os suprimentos.

Depois de anos em queda, as remessas de PCs cresceram em 2019 e dispararam a partir do segundo trimestre do ano passado. De forma geral, elas chegaram a 302,6 milhões de unidades em 2020, segundo o IDC, um crescimento de 13,1% sobre o ano passado - e que superou a expectativa dos analistas, que esperavam algo em torno de 300 milhões de equipamentos.

Segundo Ryan Reith, vice-presidente de programa do Worldwide Mobile Device Trackers do IDC, a demanda está empurrando o mercado de PCs para a frente e todos os sinais indicam que esse aumento ainda tem um longo caminho a percorrer". Ainda segundo o executivo os motivadores óbvios para o crescimento do ano passado centraram-se no trabalho em casa e nas necessidades de aprendizagem remota, mas a força do mercado de consumo não deve ser esquecida. "Continuamos a ver PCs para jogos e monitoramos as vendas em máximos históricos. Em retrospecto, a pandemia não apenas alimentou a demanda do mercado de PCs, mas também criou oportunidades que resultaram em uma expansão do mercado".

Leia também:

Continua após a publicidade

Fonte: Reuters