Ericsson demite CEO e dá início a uma profunda reestruturação

Por Redação | 25.07.2016 às 11:37

Após diversos rumores sobre a sua saída, o presidente e CEO da Ericsson, Hans Vestberg, deixou a empresa nesta segunda-feira (25). O conselho de diretores da companhia optou pela saída de Vestberg depois do decepcionante resultado financeiro apresentado pela empresa na semana passada. A confirmação da saída do CEO, que tem efeito imediato, veio em comunicado de Leif Johansson, chairman do conselho da Ericsson.

"Entretando, no atual ambiente e enquanto a companhia acelera a execução de estratégia, o conselho de diretores decidiu que é o momento certo para um novo líder guiar a próxima fase do desenvolvimento da Ericsson", afirmou Johansson. Vestberg trabalhou na empresa durante 28 anos e a comandando nos últimos sete anos, sendo reconhecido como um negociador capaz de construir relações com clientes importantes pelo mundo.

A pressão por melhores resultados e o corte de custos foi um dos principais motivos para a saída de Vestberg. Jan Frykhammar, CFO e vice-presidente da companhia, passará a assumir as funções de comandante até que o conselho escolha um novo CEO. Frykhammar trabalha na empresa sueca desde 1991 e já atuou como diretor global de serviços. Outras mudanças na diretoria inclui a chegada do diretor financeiro Carl Mellander ao cargo de vice-presidente e tesoureiro do grupo.

A Ericsson também apresentou nesta segunda-feira um novo plano de reestruturação, no qual o foco é cortar custos de maneira significativa e adaptar a companhia ao "atual ambiente do mercado". No último relatório financeiro, apresentado na última terça-feira (19), a Ericsson registrou uma queda de 11% nas receitas líquidas e anunciou medidas que podem incluir uma onda de demissões em seu quadro de funcionários.

Em conjunto com o corte de custos, a empresa implantará um programa que visa otimizar a eficiência da fornecedora, que resultará em uma economia de US$ 1,04 bilhão em 2017. O Opex será reduzido para US$ 6,1 bilhões já no segundo semestre do próximo ano. Também serão diminuídos os investimentos com pesquisa e desenvolvimento em IP, e será cortada a duplicidade existente na área de desenvolvimento de produto.

Fonte: Reuters