Email não vai morrer, mas se tornar superinteligente

Por Stephanie Kohn | 27 de Julho de 2017 às 12h18

Com a explosão dos apps de bate-papo muitas pessoas se perguntam se o e-mail cairá em desuso. Este questionamento está há anos rondando o imaginário dos internautas, ainda que sem fundamento. Segundo Guy Hanson, o “guru do e-mail marketing” e executivo ​líder ​da ​equipe ​de ​Professional ​Services ​da ​Return ​Path, esta ainda é a ferramenta que mais vende online e definitivamente não está morrendo.

Para ele são vários os motivos pelos quais o email está longe de ser substituído. O primeiro deles é que a ferramenta é madura e parte essencial da estratégia de marketing digital da maioria das empresas. Estudos revelam que companhias do mundo todo alocam exponencialmente seus budgets na ferramenta todos os anos. Relatórios também mostram que o email marketing oferece o melhor retorno de investimento às empresas, ficando sempre à frente de outros canais digitais como as redes sociais.

“Eu acredito que os consumidores gostam de email, porque não é intrusivo. Não pipoca no rosto deles a qualquer momento. Está em uma caixa onde eles podem interagir e se engajar a hora que eles quiserem e da forma que quiserem”, diz Guy em entrevista ao Canaltech durante o Fórum E-commerce. “Apesar de parecer uma ferramenta estagnada é possível ver muitas evoluções. O email está se tornando mais atraente e interativo especialmente com a adição de vídeos. Trata-se de uma experiência de entretenimento e não apenas uma forma de empurrar ofertas”, complementa.

Emails superinteligentes, a próxima tendência

Para o especialista, as tendências em emails girarão na forma como as pessoas irão consumi-los, passando cada vez mais para uma experiência mobile. Um estudo da Return to Path, publicado em junho, aponta que em alguns mercados cerca de 70% das aberturas de email já acontecem em smartphones ou tablets.

“Sabemos que mobile não é uma novidade, mas os números estão mudando rapidamente. Isso significa que daqui um ano a grande maioria das pessoas vai ler emails em seus dispositivos móveis.”

O desafio, no entanto, é fazer com que as pessoas efetivamente finalizem compras em dispositivos móveis, apresentadas via email marketing. Para ele o ponto chave é gerar confiança entre os consumidores.

Outra tendência, que vem permeando todos os setores da tecnologia, é o uso de Inteligência Artificial e Machine Learning. O especialista explica que hoje há muitas soluções que usam estas técnicas para ajudar a tornar o email mais efetivo. A Inteligência Artificial, por exemplo, pode analisar milhares de títulos para sugerir o melhor texto, enquanto o Machine Learning consegue identificar padrões de leitura e até o melhor tom de voz para falar com os consumidores.

“As pessoas ficam em frente ao computador lendo o email e a máquina observa os olhos do consumidor seguindo conteúdo. Desta forma, a empresa consegue montar um email muito mais atrativo”, finaliza.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.