China anuncia aumento de impostos sobre carros americanos

Por Rafael Rodrigues da Silva | 26 de Agosto de 2019 às 10h35
Tesla

A escalada na Guerra Fiscal entre Estados Unidos e China pode colocar novos setores da indústria americana na mira do país oriental, e a próxima vítima desta guerra deverá ser a indústria automobilística.

Semanas depois de Donald Trump anunciar que não irá mais emitir licenças para que empresas americanas negociem com a Huawei, o Ministro da Economia da China anunciou uma série de novos impostos para diversos produtos de origem americana que deverão ser aplicados ainda este ano.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Mesmo que os primeiros a sentirem os efeitos das novas taxas sejam o barril de petróleo e derivados de soja, que passarão a pagar mais 5% de impostos para entrar no território chinês já a partir de 1º de setembro, a indústria mais afetada por essas novas tarifas será a automobilística.

Isso porque, a partir de 15 de dezembro, a China voltará a cobrar dos carros americanos uma taxa adicional de importação de 25% do valor do veículo — tarifa esta que estava suspensa desde o fim do ano passado. Em alguns modelos específicos, será cobrado um novo imposto adicional de mais 10%. Isso fará com que alguns modelos de automóveis sejam taxados em 50% de seus valores, o que deve afetar principalmente marcas consideradas de luxo, como BMW, Mercedes-Benz e Tesla, que fabricam boa parte de suas frotas chinesas em território americano.

O anúncio das tarifas feito na última sexta-feira (23) não foi coincidência e aconteceu horas depois do governo dos Estados Unidos anunciar um aumento de tarifas para smartphones, laptops, consoles de videogame e outros aparelhos eletrônicos importados da China. Assim, o anúncio do aumento de tarifas no país oriental é uma resposta direta à administração de Donald Trump e pode ser usado como moeda de troca na negociação que os países terão no começo de setembro.

Das companhias que mais serão afetadas, apenas a Tesla já possui uma fábrica na China, mas espera-se que a linha de produção da companhia em território chinês comece a operar apenas no fim deste ano, podendo levar de seis meses a um ano até que ela esteja funcionando em sua capacidade máxima.

Fonte: Engadget

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.