CEO da Intel sabia de vulnerabilidade e correu para vender US$ 24 mi em ações

Por Luciana Zaramela | 05 de Janeiro de 2018 às 18h55
TUDO SOBRE

Intel

Brian Krzanich, o manda-chuva da Intel, sabia de tudo. O executivo correu para vender milhões em ações antes que o caso das vulnerabilidades dos chips da fabricante se tornasse público, logo após a Google ter informado a empresa sobre as falhas.

O escândalo vem tomando proporções gigantescas na indústria e entre os usuários de tecnologia, uma vez que não apenas a Intel se envolveu diretamente no problema, como também a AMD e a ARM. A falha, relacionada ao processo de fabricação dos processadores, permite que cibercriminosos acessem dados secretos e roubem senhas de computadores, agindo de maneira maliciosa e comprometendo o sistema operacional de vários dispositivos em nível de Kernel. 

Depois que o caso ganhou a imprensa internacional, várias empresas de tecnologia, incluindo gigantes como Google e Microsoft, estão movendo mundos e fundos para conseguir resguardar os usuários de seus sistemas de quaisquer problemas mais graves. Se você ainda não acompanhou o desenrolar de toda a história, o Canaltech publicou um apanhado esclarecedor que pode ser acessado neste link.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Krzanich age na surdina

O que acontece é que o CEO da empresa tomou uma atitude bastante conveniente ao saber dos problemas envolvendo os processadores da Intel. Já adiantando que a coisa ia "feder" no mercado internacional de tecnologia, ele resolveu se livrar de parte do problema vendendo US$ 24 milhões em ações — uma fatia bem gorda de sua participação na companhia, diga-se de passagem. O feito ocorreu em 29 de novembro, como revela o Business Insider, e o montante milionário incluiu boa parte das próprias ações de Krzanich, fora algumas manobras que ele resolveu efetuar na bolsa.

Quando o mercado descobriu a façanha, um clima de insatisfação e desconfiança se alastrou entre os investidores. Primeiro, porque Brian sobrou com "apenas" 250 mil ações da Intel em caixa — isto é, o mínimo que a empresa exige para que ele continue participando como contratado. E segundo, porque uma atitude como essa traz uma mancha enorme para a reputação da tradicionalíssima empresa de semicondutores.

No fim das contas, este é apenas o começo do que pode ser um grande escândalo para a Intel, e nós vamos aguardar cenas dos próximos capítulos para ver como a coisa se desenrola daqui para frente. Fique ligado no Canaltech!

Fonte: Business Insider

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.