Alemanha vai investigar a forma como o Google usa dados de usuários

Alemanha vai investigar a forma como o Google usa dados de usuários

Por Felipe Gugelmin | Editado por Claudio Yuge | 25 de Maio de 2021 às 22h20
Firmbee/Pixabay

Conhecida por ser uma Gigante das Buscas, o Google também é bastante popular em segmentos como mapas de navegação e serviços de vídeo — algo que despertou a atenção das autoridades alemãs. Através do órgão fiscalizador antitruste Bundeskartellamt, o governo vai investir como a empresa usa dados de seus usuários em busca de indícios de atividades anticompetitivas.

Entre os critérios que vão ser analisados está o nível de opções que os serviços da companhia oferecem em relação à forma como os dados de usuários são usados. Outro foco da investigação é a capacidade que os aplicativos têm de processar e cruzar dados entre si, bem como a maneira como eles tratam informações obtidas a partir de apps desenvolvidos por terceiros.

Imagem: Divulgação/Google

O objetivo é garantir que o Google está cumprindo o Ato de Competição Alemão, cuja 10ª emenda entrou em ação no dia 10 de janeiro de 2021. Ela determina que o Bundeskartellamt pode operar contra as companhias que possuam grande importância em diferentes mercados e que usem de sua influência e poder para realizar práticas anticompetitivas.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Google promete cooperar com as investigações

O Google afirmou que vai cooperar com as investigações do órgão regulatório e que não obriga nenhum usuário a usar seu ecossistema de aplicativos, tampouco o sistema Android. Em um comunicado enviado ao Android Central, a empresa afirmou que “as pessoas escolhem usar o Google porque ele é útil, não porque são forçados ou porque não conseguem achar alternativas”.

As ações do Bundeskartellamt já tiveram resultados no passado: em 2019, o Facebook foi proibido de coletar dados de sites terceiros sem o consentimento de usuários, decisão que foi revertida pelas cortes alemãs em junho de 2020 após a empresa apelar. Segundo o presidente da organização, Andreas Mundt, o tamanho do ecossistema oferecido pelo Google serve como indício de que outras companhias podem ter dificuldade em apresentar uma competição à altura. No entanto, ele não divulgou quais ações ou punições podem entrar em vigor caso a investigação encontre indícios de ilegalidades.

Fonte: Android Central

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.