Cientistas recuperam memória de ratos com alzheimer usando ultrassom

Por Redação | 12.03.2015 às 13:53

O mal de alzheimer é uma doença muito comum que atinge o cérebro depois de uma certa idade e não tem cura. Mas um grupo de cientistas australianos conseguiu recuperar a memória de ratos de laboratório com a doença, com o uso de ondas de ultrassom direcionadas no cérebro do animal.

De acordo com o CNET, os pesquisadores da Universidade de Queensland e do Centro de Pesquisa de Envelhecimento e Demência Clem Jones conseguiram, com sucesso, restaurar a memória dos ratos usando uma tecnologia não invasiva que quebra as placas amiloides neurotóxicas, que são as responsáveis por causar a perda de memória e de função cognitiva. As ondas de ultrassom foram disparadas diretamente no cérebro do rato por várias semanas. Jürgen Götz, professor e diretor do Clem Jones, afirma que eles estão animados com esta inovação no tratamento do alzheimer sem usar drogas terapêuticas.

Depois do processo, os cientistas perceberam que o ultrassom consegue estimular um tipo específico de célula cerebral que é chamada de micróglia. Ele funciona como um anticorpo do cérebro que protege o órgão de elementos estranhos. Então, com o aumento do número de micróglias, foi descoberto que a quantidade de beta-amiloides nos cérebros dos ratos caiu 75% e, alguns dias depois, os animais mostraram melhores comportamentos em testes de memória e de reconhecimento espacial.

Agora, o próximo passo dos pesquisadores é testar a técnica de ultrassom em ovelhas, antes de arriscar em humanos. O relatório completo do estudo pode ser visto aqui.