Publicidade

Novo solo eletrônico acelera o crescimento das plantas

Por| Editado por Luciana Zaramela | 02 de Janeiro de 2024 às 17h09

Link copiado!

 Thor Balkhed/Linköping University
Thor Balkhed/Linköping University

Pesquisadores da Linköping University (Suécia) desenvolveram um solo eletrônico capaz de acelerar o crescimento das plantas. Na ocasião, o grupo descobriu que o envio de sinais elétricos através do solo fazia as plantas crescerem 50% mais, em média.

Intitulado eSoil, esse solo eletrônico é composto de substâncias orgânicas misturadas com um polímero condutor que pode ser encontrado em sensores e telas OLED. Para o estudo, os pesquisadores examinaram o efeito do envio de sinais a mudas de cevada durante 15 dias.

O grupo descreve o efeito do estímulo elétrico nas mudas de cevada como “constante”. No artigo, os pesquisadores escrevem que as plantas estimuladas poderiam processar os nutrientes de forma mais eficiente, embora ainda não esteja claro como exatamente o estímulo afeta esse processo.

Continua após a publicidade

A ideia é que o solo eletrônico possa oferecer uma solução para criar novas formas de aumentar o rendimento das colheitas em ambientes comerciais e especialmente em locais onde as condições ambientais afetam o crescimento das plantas. 

“Dessa forma, podemos fazer com que as mudas cresçam mais rápido e com menos recursos. Ainda não sabemos como realmente funciona, quais mecanismos biológicos estão envolvidos. O que descobrimos é que as mudas processam o nitrogênio de forma mais eficaz, mas ainda não está claro como o estímulo elétrica impacto esse processo”, diz Eleni Starvrinidou, que faz parte do estudo,  em comunicado divulgado pela própria universidade.

Os pesquisadores também garantem que a vantagem do solo é que tem um consumo de energia muito baixo e não apresenta perigo de alta tensão. A expectativa é que o novo estudo abrirá caminho para novas áreas de pesquisa desenvolverem ainda mais o cultivo hidropônico (em ambientes compostos principalmente de água e um local para as raízes se fixarem).

Continua após a publicidade

Fonte: PNAS via Linköping University