Apple assume compromisso de neutralizar toda sua emissão de carbono até 2030

Por Stephanie Kohn | 21 de Julho de 2020 às 15h05
Guia de Milão
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

Em uma tentativa de neutralizar parte do impacto da ação climática no mundo, a Apple anunciou nesta terça-feira (21) que quer se tornar neutra em carbono em todos os seus negócios, incluindo manufatura, até 2030.

Com esse novo compromisso, a Apple segue os passos da Amazon, Microsoft e Google, que anunciaram metas relacionadas ao clima no ano passado.

“Estamos realmente orgulhosos do que fizemos até agora, mas também sabemos que o momento em que vivemos nos chama para enfrentar esse desafio geracional das mudanças climáticas e acelerá-las em todo o setor”, diz Lisa Jackson, vice-presidente de iniciativas ambientais, políticas e sociais da Apple e ex-administradora da Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

Na primavera de 2018, a Apple anunciou que seus escritórios corporativos, data centers e lojas de varejo estavam funcionando com 100% de energia renovável. Além disso, a pegada de carbono da companhia foi reduzida em 4,3 milhões de toneladas em 2019. Nos últimos 11 anos, a empresa também diminuiu em 73% o consumo médio de eletricidade necessária para a fabricação de produtos.

Trata-se de um grande desafio, considerando a quantidade de produtos que a empresa produz anualmente e que a esmagadora maioria das emissões de carbono ligadas à empresa vem de seus fornecedores e fabricantes na China.

Segundo a companhia, 75% de seus esforços estão focados em áreas como energia renovável e eficiência de fabricação, enquanto 25% estão dedicados à remoção de carbono por meio de parcerias com grupos de conservação florestal.

“A indústria tem uma grande oportunidade de ajudar na construção de um futuro sustentável, fruto do compromisso comum com o planeta que compartilhamos”, defendeu Tim Cook, CEO da Apple, em comunicado oficial. “As inovações por trás do nosso esforço ambiental não são boas apenas para o planeta — elas nos ajudaram a fazer produtos mais eficientes no consumo energético e a implementar novas fontes de energia limpa no mundo todo. O combate às mudanças climáticas pode ser a base para uma nova era de inovação, criação de empregos e crescimento econômico de longo prazo. Com nosso compromisso com a neutralidade de carbono, esperamos iniciar uma onda muito maior de mudanças", completou.

Estratégia

A estratégia de 10 anos da Apple incluem ações já em andamento e projetos futuros, como:

Continuar aumentando o uso de materiais reciclados e de baixo carbono em seus produtos, inovar na reciclagem de produtos e desenvolver produtos com a maior eficiência energética possível;

Utilização de um robô reciclador, apelidado de “Dave”, que irá recuperar materiais valiosos, como magnetos de terras raras e tungstênio, além de permitir a extração de aço;

Parceria entre o Laboratório de Recuperação de Materiais da empresa em Austin, Texas, dedicado à tecnologia de reciclagem de eletrônicos, com a Universidade Carnegie Mellon para desenvolver soluções mais amplas de engenharia;

Utilização de materiais recicláveis em todos os aparelhos iPhone, iPad, Mac e Apple Watch, como já acontece desde os últimos lançamentos. E isso inclui metais de terras raras 100% reciclados no Taptic Engine do iPhone — algo inédito para a Apple e para os smartphones;

Identificar novas formas de reduzir o uso de energia em suas unidades corporativas e apoiar sua cadeia de fornecimento nessa transição;

Investimento de US$ 100 milhões em projetos de eficiência energética acelerada para os fornecedores da Apple;

Aumento do número de fornecedores que participam do Supplier Energy Efficiency Program da Apple para 92 em 2019. Essas instalações evitaram a emissão de mais de 779 mil toneladas de carbono por ano;

No ano passado, a Apple investiu em melhor eficiência energética para mais de 5,9 milhões de metros quadrados de edifícios novos e antigos, diminuindo a demanda por eletricidade em aproximadamente 20% e resultando numa economia de US$ 27 milhões para a empresa;

Continuar consumindo 100% de energia renovável em suas operações — com foco na criação de novos projetos e na migração de toda sua cadeia de fornecimento à energia limpa;

Compromisso de ter mais de 70 de seus fornecedores usando 100% de energia renovável na fabricação de produtos Apple — o equivalente a quase 8 gigawatts. Uma vez alcançado, esse compromisso terá evitado mais de 14,3 milhões de toneladas de CO2e por ano — o equivalente a tirar mais de 3 milhões de carros de circulação todos os anos;

Mais de 80% da energia renovável utilizada pela Apple em suas unidades agora vêm de projetos criados pela empresa, beneficiando comunidades e outros empreendimentos;

Lançamento de um dos maiores sistemas de painéis solares na Escandinávia, além de dois novos projetos de fornecimento de energia para comunidades desassistidas nas Filipinas e na Tailândia;

Manejo das emissões por meio de avanços tecnológicos nos processos e materiais necessários para seus produtos;

Apoio ao desenvolvimento do primeiro processo de fusão de alumínio livre de carbono direto por meio de investimentos e colaboração com dois dos seus fornecedores do minério;

Uso de alumínio de baixo carbono na produção destinada ao MacBook Pro de 16 polegadas;

Redução de emissões de gases fluorados em mais de 242 mil toneladas em 2019 por meio de parcerias com seus fornecedores. Esses gases são usados na fabricação de alguns componentes eletrônicos destinados ao consumidor e podem contribuir com o aquecimento global;

Investimento em florestas e outras soluções naturais ao redor do mundo para remover carbono da atmosfera;

A Apple anunciou hoje um fundo inédito de desenvolvimento de soluções para carbono para investir na restauração e proteção de florestas e ecossistemas naturais em todo o planeta;

Investimento em novos projetos e descobertas de trabalhos anteriores na restauração de savanas degradadas no Quênia e manguezais essenciais na Colômbia, em parceria com a Conservação Internacional, a companhia investirá;

Mangues não apenas protegem áreas costeiras e oferecem sustento para as comunidades onde estão localizados, mas também armazenam até 10 vezes mais carbono que florestas terrestres.

E colaboração na proteção e melhoria na gestão de mais de um milhão de acres de florestas e soluções climáticas naturais na China, EUA, Colômbia e Quênia.

O plano completo da companhia pode ser encontrado no Relatório de Acompanhamento Ambiental de 2020, disponível aqui. E o progresso dos fornecedores em seus compromissos pode ser visto aqui.

Fonte: Wired e Apple

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.