Siga o @canaltech no instagram

Google investe mais de 1 bilhão de dólares em energias renováveis

Por Redação | 18 de Fevereiro de 2014 às 09h00
Tudo sobre

Google

Saiba tudo sobre Google

Ver mais

Empresas de tecnologia são uma das maiores consumidoras de energia do planeta. Os gigantescos data centers consomem quantidades imensas de eletricidade, e a demanda por estruturas desse tipo é cada dia maior, ou seja, o consumo cresce exponencialmente. E o impacto ambiental também aumenta muito, fora os custos dessa energia.

Pensando nisso, grandes empresas da área estão procurando diversificar as fontes energéticas, e um dos focos são as energias renováveis, como energia eólica e solar. Porém, nenhuma empresa está usando mais energia limpa do que o Google, que já investiu mais de US$ 1 bilhão em 15 instalações. Para se ter uma idéia do volume do investimento, no mesmo período a empresa gastou US$ 2 bilhões para manter e atualizar o hardware de seus servidores.

O investimento mais recente e notório é a usina solar de Ivanpah, na fronteira entre os estados da Califórnia e Nevada, nos EUA, que é a maior usina térmica solar do planeta. Na estrutura, 347 mil espelhos refletem a luz solar abundante do deserto em uma torre com água, que ferve e faz girar uma turbina capaz de produzir 392 megawatts de eletricidade, o suficiente para alimentar 140 mil casas.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Porém ainda há um longo caminho pela frente. Por enquanto, apenas 34% do total de energia consumida pela empresa vem de fontes renováveis, mas ela se comprometeu a atingir a marca de 100%. Se todas as grandes empresas da área tomassem a mesma iniciativa, o impacto ambiental seria minimizado consideravelmente.

Além do impacto ambiental, pode-se considerar a economia a longo prazo, pois a energia de uma fonte limpa vem com um preço bem menor, após um certo tempo de operação. Os custos para a construção e instalação de usinas eólicas e solares são altos, mas o custo da energia é praticamente zero após elas entrarem em operação.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.