2019 teve o mês de junho mais quente dos últimos 140 anos

Por Redação | 22 de Julho de 2019 às 23h50
Divulgação

É difícil pensar em calor agora, já que aqui no Brasil a temperatura está bastante baixa em pleno inverno, propícia para se enrolar nas cobertas e tomar um chocolate bem quentinho. Mas a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), dos Estados Unidos, que faz um relatório mensal depois de uma análise do clima global, declarou que o mês de junho de 2019 foi o junho mais quente do mundo dentro de um período de 140 anos! O calor foi tanto que trouxe, pelo segundo mês consecutivo, uma baixa na cobertura de gelo marinho da Antártida.

Durante o mês passado, a temperatura média global apontada pelos cientistas dos Centros Nacionais de Informações Ambientais da NOAA foi de 61,61 ºF, o que equivale a 16,45 ºC. Pode soar como uma temperatura baixa, mas é 1,71 ºF acima da média do século XX, de 59,9 ºF (15,5 ºC).

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Segundo os dados da NOAA, nove dentre os dez meses de junho mais quentes desses 140 anos ocorreram a partir de 2010. Além disso, junho de 2019 foi o 43º mês consecutivo e o 414º mês consecutivo com temperaturas globais acima da média.

Vale ressaltar que o período de janeiro a junho de 2019 produziu uma temperatura global de acima da média do século XX, que equivalia 56,3 ºF (13,5 ºC), o que leva 2019 a ser o segundo ano mais quente até o momento, título que é compartilhado com o ano de 2017. Foi a primeira metade do ano mais quente para a América do Sul, regiões da parte sul da África, Madagascar, Nova Zelândia, Alasca, oeste do Canadá, México, leste da Ásia, oceanos Atlântico e Índico e o Mar de Bering. Apesar disso, 2019 tem sido um ano um pouco mais frio, até agora, para alguns lugares, como é o caso dos EUA e do sul canadense, que tiveram temperaturas 1,8 ºF abaixo da média durante o primeiro semestre de 2019. Essa discrepância está de acordo com os relatórios recentes que alertam para os perigos das mudanças climáticas, que acabam "bagunçando" o clima geral do planeta.

Um ponto preocupante levantado pela NOAA é a continuação do derretimento do gelo marinho. Em junho, a cobertura média de gelo da Antártica ficou 8,5% abaixo da média de 1981 a 2010. Já a cobertura do gelo do Ártico ficou 10,5% abaixo da média.

Fonte: NOAA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.