STJ determina que motoristas não têm vínculo trabalhista com a Uber

STJ determina que motoristas não têm vínculo trabalhista com a Uber

Por Nathan Vieira | 04 de Setembro de 2019 às 16h42
Unsplash

Nesta quarta-feira (4), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que os motoristas que que trabalham para serviços de transportes por aplicativo (como é o caso da Uber, por exemplo) não possuem relação trabalhista nenhuma com a empresa em questão. De acordo com a decisão, essa relação de trabalho é puramente autônoma.

"Os motoristas de aplicativo não mantêm relação hierárquica com a empresa Uber porque seus serviços são prestados de forma eventual, sem horários pré-estabelecidos e não recebem salário fixo, o que descaracteriza o vínculo empregatício entre as partes", consta na decisão unânime dos dez juízes que formam a segunda seção do tribunal, com o ministro Moura Ribeiro atuando como o relator.

"As ferramentas tecnológicas disponíveis permitiram criar uma nova modalidade de interação econômica, fazendo surgir a economia compartilhada, em que a prestação de serviços por detentores de veículos particulares é intermediada por aplicativos geridos por empresas de tecnologia. Nesse processo, os motoristas atuam como empreendedores individuais, sem vínculo de emprego com a empresa dona da plataforma", o texto ainda completa. Além disso, O STJ também decidiu que a Justiça do Trabalho não é a responsável por resolver disputas entre Uber e motoristas autônomos, e sim a Justiça Cível.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Motoristas da Uber são determinados como autônomos

Tudo isso começou quando um um motorista da Uber, em Minas Gerais, acusou a empresa de ter suspendido sua conta sob o argumento de que ele tinha o comportamento irregular e mau uso do aplicativo, e essa suspensão gerou prejuízos (já que ele tinha alugado um carro para fazer as corridas), então ele levou o caso à justiça mineira, esperando a reativação da conta no Uber e o ressarcimento de danos materiais e morais. Em resposta, a Justiça mineira se declarou incompetente de julgar o caso, assim como a Justiça do Trabalho, e foi assim que a situação chegou ao STJ.

Durante um comunicado oficial, a Uber declara: "A decisão afirma que eles são microempreendedores individuais que utilizam a plataforma da Uber para realizar sua atividade econômica — reforçando o entendimento da Justiça do Trabalho, que em mais de 250 casos afirmou que não existe vínculo empregatício entre motoristas parceiros e a Uber".

Fonte: Bloomberg

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.