Vítima de estupro na Índia entra com ação contra o Uber em tribunal americano

Por Redação | 30 de Janeiro de 2015 às 15h19
Tudo sobre

Uber

Em dezembro uma passageira do Uber na Índia relatou que foi estuprada pelo motorista da empresa. A acusação resultou no banimento do serviço no país e tem refletido negativamente na imagem do Uber em diferentes partes do mundo onde a empresa está presente. Agora, a vítima do estupro entrou com uma ação judicial contra o serviço em um tribunal federal americano. As informações são da Reuters.

A ação foi instaurada nesta quinta-feira (29) com a vítima alegando que a empresa não conseguiu manter procedimentos básicos de segurança. A mulher reside em Nova Delhi e não teve sua identidade revelada.

O Uber optou por falar sobre o caso por um comunicado, mas não citou diretamente a ação judicial movida pela indiana. Segundo a empresa, ela está cooperando plenamente com as autoridades para garantir que o responsável pela violência seja levado à justiça. “Nossas mais profundas condolências permanecem com a vítima deste crime horrível”, afirmou a empresa.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Os problemas do Uber na Índia têm reflexos gigantes na empresa. O país é o maior mercado fora dos Estados Unidos, considerando o número de cidades que oferecem o serviço de motorista e o valor do mercado de rádio táxi no país é estimado entre US$ 6 bilhões e US$ 9 bilhões.

O caso de estupro provocou protestos e motivou a retomada de debates sobre a segurança das mulheres no país, que é historicamente conhecido pelos casos de violência contra mulheres, principalmente na capital Nova Delhi, que já foi apelidada de capital do estupro da Índia.

Após as acusações da passageira e a prisão do motorista, a Índia proibiu o serviço de operar na capital do país, mas na semana passada a empresa teria pedido uma nova licença de rádio-táxi e voltado a atuar na cidade. Segundo o Uber, a empresa não ficaria com nenhuma comissão dos motoristas de Nova Delhi até que haja esclarecimentos sobre a atuação do serviço na cidade.

Segundo a mulher, ela foi estuprada e espancada no início de dezembro após solicitar uma condução com um motorista do Uber. Ela pede que as práticas de segurança do Uber sejam revisadas e incluam suporte 24 horas aos clientes e câmeras de vídeo dentro dos carros.

A vítima ainda alega no processo danos não especificados do serviço. O advogado que está representando a mulher é Douglas Wigdor, conhecido por alguns casos famosos como da funcionária de um hotel que acusou o ex-chefe do Fundo Monetário Internacional, Dominique Strauss-Kahn, de agressão sexual.

Após o caso o Uber afirmou que iria adotar medidas de segurança adicionais, como verificações mais rigorosas de seus motoristas e um botão de emergência no aplicativo. Mas os problemas da empresa estão se espalhando e no início deste mês usuários de Chicago alegaram que os motoristas do serviço têm assaltado clientes durante as viagens.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.