Crise política inspira jogos e invade os smartphones; conheça alguns deles

Por Durval Ramos

O cenário político atual se transformou em um enorme jogo. A cada nova notícia que chega de Brasília, a realidade se aproxima cada vez mais de um House of Cards ou mesmo de um Game of Thrones. São tantas reviravoltas, conchavos e planos arquitetados nas sombras tanto pelo governo quanto pela oposição que é muito fácil se perder em meio a essa luta pelo poder.

Diante de tudo isso, era óbvio que a população ia se posicionar de alguma forma. Enquanto muitos acompanham o desenrolar dessa novela que vai determinar o futuro do Brasil, outros recorrem ao bom humor das redes para lidar com toda a tensão que percorre o Brasil e outros tantos se posicionam de uma forma um pouco mais criativa. Afinal, se a política brasileira se transformou em um jogo de influências para ver quem derruba quem, nada mais óbvio do que surgirem games que tentem explicar essa situação ou que apenas deem mais lenha a esse incêndio.

Seja no Android ou no iOS, é enorme a quantidade de títulos focados na presidente Dilma Rousseff, no presidente da Câmara Eduardo Cunha e em todos os escândalos e polêmicas que vimos em decorrência da Operação Lava-Jato e demais ações da Polícia Federal. Alguns se inspiraram em declarações e outros em episódios recentes dos noticiários, mas o que mais chama a atenção é que a grande maioria adota uma única postura de ataque ao PT e à sua gestão — alguns bem pesados, agressivos e de mau gosto, inclusive.

Dilma Google

De qualquer forma, independentemente de sua postura política, esses aplicativos servem como um termômetro para os ânimos do país. E, em tempos em que as coisas em Brasília estão mais agitadas do que nunca, esses pequenos games podem ser um passatempo e tanto para os descontentes. Conheça alguns.

Korruptus

Este já é um velho conhecido do pessoal da direita. Korruptus foi lançado originalmente na época das eleições, no final de 2014, e chamou a atenção pelo modo extremista como apresentava o nosso país. Reforçando o discurso de que o Brasil vai virar Cuba e outras coisas do tipo, ele se propõe a salvar o país de "piratas que querem levar todas as nossas riquezas para uma ilha no Caribe". Com isso, o jogador precisa lutar contra vilões que representam a presidente Dilma, o ex-presidente Lula e outros nomes ligados ao PT, como José Dirceu, José Genoíno e até mesmo o vice-presidente (e atual peça importante na novela do impeachment) Michel Temer.

Até aí, tudo bem. O mais delicado mesmo são as figuras que o jogo apresenta como os heróis dessa nação fictícia. Personagens inspirados na jornalista Rachel Sheherazade e no deputado Jair Bolsonaro aparecem como a salvação do país, mesmo quando eles se posicionam de maneira bem radical — defendendo o linchamento público e a Ditadura Militar, por exemplo.

De qualquer forma, Korruptus é o game que mais se destaca pelo seu claro posicionamento político e também pela sua qualidade técnica. De todos os jogos citados aqui, ele é o melhor trabalhado em termos visuais e, não por acaso, é o único pago da lista.

Disponível para Android e iOS.

Vale Tudo

Aqui a coisa é um pouco mais concentrada nos dois protagonistas da briga em Brasília. Em Vale Tudo, exclusivo do Android, os jogadores podem ficar tanto do lado da presidente Dilma Rousseff quanto do deputado Eduardo Cunha em uma briga de verdade. Afinal, depois de tanta troca de acusações em declarações e discursos, era apenas uma questão de tempo para que a pancadaria rolasse solta.

O presidente da Câmara não está planejando um golpe? Pois o game traz diferentes opções de golpe para ele aplica e levar também, seja no corpo ou mesmo na cara. Tecnicamente, o jogo não é lá essas coisas e mais parece uma das tentativas de fazer algo tridimensional na era do Super Nintendo, mas a proposta ainda tem seu valor — principalmente a Dilma gigante ou o canhão Lava-Jato. Além disso, o cenário baseado em Brasília toda destruída é de uma simbologia ímpar.

Disponível para Android.

Corre Vilma

Você já deve ter visto dezenas de games brasileiros em que é preciso fazer um personagem correr o máximo que puder enquanto coleta algumas moedas. É um formato que os desenvolvedores parecem adorar, visto que qualquer meme se transforma em um jogo assim. No entanto, alguém decidiu usar essa fórmula mais do que manjada para ironizar toda a questão do impeachment.

Corre Vilma utiliza essa mesma estrutura para colocar a presidente Dilma para fugir do impeachment. Para isso, ela deve correr a maior distância possível enquanto tenta desviar de panelaços e outros obstáculos que vão aparecer em seu caminho. E, mais do que isso, ela ainda deve coletar o dinheiro e colocar na sua inseparável maletinha que a acompanha nessa fuga. Conta com a incrível participação do Pixuleco, o Lula inflável que já virou o mascote da oposição.

Dilma Jogo

Esse é um bom exemplo de como é possível fazer um game de crítica sem ser ofensivo e nem ultrapassar nenhum limite do aceitável. Ele se posiciona claramente contra o governo do PT de forma bem-humorada, se aproveitando de figuras marcantes dentro de todo esse contexto e fazendo tudo isso sem agredir ninguém. É a prova de que você pode criticar sem perder a razão — algo que muita gente no Facebook parece ter esquecido.

Disponível para Android.

Super Dilma World

Essa sátira de Super Mario World não chega a ser uma crítica exata à crise política que vivemos atualmente, mas se baseia em um episódio anterior e que gerou vários outros games para smartphone. Inspirado na declaração da presidente de que o Brasil deveria armazenar vento, o game coloca a chefe do executivo em uma jornada para coletar esse bem tão precioso.

O visual de Super Dilma World é bem interessante, todo feito em pixelart, e traz várias referências a outros episódios da história política recente do país. Além da citação ao armazenamento de vento, o game ainda cita a infame saudação à mandioca e traz também o sempre presente Pixuleco à ação. Isso sem falar de alguma das frases mais marcantes ditas pelas presidente ao longo de seus dois mandatos.

Disponível para Android.

Dilma Surf: Onda do Impeachment

A história do Brasil no surfe não se resume apenas ao campeão mundial Gabriel Medina. Na verdade, alguém teve a ótima ideia de usar essa enxurrada de polêmicas e escândalos oriundos da Operação Lava-Jato para fazer um game que critica exatamente o governo do PT. Em Dilma Surf: Onda do Impeachment, o jogador precisa surfar nas ondas de petróleo enquanto coleta as moedas oriundas de licitações fraudulentas em obras da Petrobras.

Dilma mobile

O curioso desse jogo não é apenas a proposta, mas a estratégia usada pelo seu criador. Em sua página na Play Store, ele usa a mesma tática de muitas correntes e movimentos de oposição ao governo: o WhatsApp. Tanto que a primeira coisa que ele pede aos jogadores é que eles espalhem o título em seus grupos, o que mostra que toda a questão política, para bem ou para mal, passa pelos nossos smartphones de uma forma ou se outra.

Disponível para Android.