Telefônica vai insistir em franquias de acesso na banda larga

Por Redação | 28.04.2016 às 15:32

A decisão da Anatel de suspender de forma indefinida qualquer implementação de franquias de consumo na banda larga residencial pode ter tranquilizado momentaneamente os usuários, mas não tirou a Telefônica deste caminho. De acordo com o CEO da empresa que controla a operação da Vivo, Amos Genish, a companhia não deve desistir das limitações e acredita que o debate vai muito além do simples corte ou redução na velocidade de conexão.

O executivo elogiou a atuação da Anatel e disse que a agência age bem ao tomar a frente do debate sobre o assunto. Além disso, afirmou que o envolvimento do órgão e também dos usuários levantou questões que vão além do simples consumo de dados, e envolvem também a alta taxa tributária imposta sobre o setor de telecomunicação e os planos do governo de tornar a banda larga mais barata, democrática e acessível para todos.

Genish também voltou a afirmar que, na legislação brasileira, não existe nada que impeça a adoção de franquias na banda larga fixa. E, mais do que isso, voltou a falar que, para os operadoras, seria melhor ter ofertas diferentes, com valores e condições, para os mais diversos tipos de usuário, de forma a privilegiar tanto aqueles que fazem utilização pesada da rede quanto os que a usam de forma mais esporádica.

Esse, por exemplo, pode ser um fator importante para que as operadoras entrem de cabeça, ao lado do governo, em projetos de universalização da banda larga. Para Genish, os habitantes de muitas regiões não podem pagar o mesmo que em outras áreas do país, algo que, com o estado atual da rede no país, pode tornar determinados lugares menos atrativos do que outros. Isso implica na falta de transmissão e investimentos em instalação de infraestrutura.

As declarações de Genish a favor dos limites de internet contrastam com outras afirmações feitas, também, durante a revelação dos resultados financeiros da Telefônica no primeiro trimestre. Ele afirmou que, para o futuro próximo, a Internet das Coisas deve se tornar uma fonte relevante de receita. Os dispositivos devem estar conectados o tempo todo e, com isso, acabam consumindo banda sem parar, algo que pode ser danoso para os limites tão restritos que seriam impostos aos clientes.

Além de falar sobre as franquias, o CEO revelou ainda que a área de cobertura dos serviços de fibra óptica da GVT deve ser ampliada em apenas duas, e no máximo quatro, cidades neste ano, com mais 10 previstas para 2017. Além disso, a fusão entre a operadora e a Vivo também deve transformar o jogo em pacotes de TV a cabo e licenciamento de conteúdo de entretenimento.

Fonte: Telesíntese