Número de endereços de IP alocados no iPv4 está quase esgotado

Por Redação | 14 de Maio de 2015 às 16h43
photo_camera Divulgação

Quanto mais pessoas acessam a internet, mais links, sites, blogs, plataformas, imagens, vídeos e outros conteúdos são criados nessa gigantesca rede que parece não ter fim. Só que esse fim existe, pelo menos no que diz respeito ao número de endereços de IP baseados na especificação IPv4. Acontece que a quantidade desses protocolos está diminuindo rapidamente e, ao que tudo indica, deve se esgotar até o final do terceiro trimestre deste ano.

O IPv4 foi criado por um grupo de engenheiros em 1980 e tinha inicialmente 4,3 bilhões de endereços de IP disponíveis. De acordo com a entidade American Registry for Internet Numbers, devido ao aumento de tablets, smartphones, laptops, PCs e outros dispositivos conectados, esse número caiu para apenas 3,4 milhões dos quase 1,3 bilhões de endereços de IP na América do Norte.

Apesar da notícia parecer assustadora — afinal, nunca se sabe quando a internet pode sofrer um colapso por falta de "espaço" —, é importante lembrar que em outros locais do globo, como aqui na América Latina, já não existe mais estoque para o IPv4 desde junho do ano passado. A partir daí, organizações responsáveis por cuidar desses endereços deram início a uma fase conhecida como "terminação gradual", que visa alinhar e organizar como será a locação de endereços baseados no IPv4.

Além disso, não podemos esquecer do IPv6. Há cerca de dois anos, a quantidade de gadgets conectados à rede no mundo ultrapassou o número de endereços de protocolo. A última versão, o chamado IPv4, não suportava mais a demanda de endereços únicos, o que ocasionava problemas na configuração de modems, lentidão e incompatibilidade de equipamentos conectados à internet.

Por isso, houve a necessidade de mudar para o IPv6, uma vez que o padrão permite 340 undecilhões (o equivalente a 36 zeros após o 340) de endereços possíveis a partir do novo protocolo, permitindo que cada habitante do planeta tenha 48x10 elevado a 18ª potência de aparelhos conectados.

O problema é que ainda falta um longo caminho até que o IPv6 seja o protocolo de internet mais usado no mundo. Algumas companhias, entre elas o Facebook, já moveram 90% de seus endereços de IP para o IPv6, enquanto outras ainda lutam para fazer essa transição.

No Brasil, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) espera implementar o novo protocolo até julho de 2015. Conforme explicou a entidade em março, haverá um período de convivência entre o IPv4 e o IPv6 para evitar possíveis erros de comunicação. A agência também vai exigir o endereçamento em IPv6 para novos dispositivos fabricados e vendidos no país. A partir de 2016, as empresas terão de se adequar ao novo padrão e obter as certificações técnicas do órgão regulador.

Fonte: Wall Street Journal

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.