Ferramenta do Google mostra mudanças na superfície da Terra em tempo real

Ferramenta do Google mostra mudanças na superfície da Terra em tempo real

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 09 de Junho de 2022 às 18h07
Captura de tela/Alveni Lisboa/Canaltech

O Google reuniu um conjunto de informações que mostram os recursos na superfície da Terra praticamente em tempo real. Chamada Dynamic World, a ferramenta usa aprendizagem de máquina e aprendizagem profunda para analisar imagens de satélite e criar um mapa em alta resolução com características como árvores, plantas e água.

A Dynamic World consegue classificar com precisão a cobertura do solo a cada 1.100 pés quadrados (cerca de 335 m²). A inteligência consegue mapear com elevado percentual de acerto nove tipos de cobertura:

  1. Àgua;
  2. Vegetação inundada;
  3. Áreas construídas;
  4. Árvores;
  5. Solo nu;
  6. Plantações;
  7. Grama;
  8. Arbustos; e
  9. Neve ou gelo.
O GIF mostra o antes e o depois de um incêndio na Califórnia: primeiro era tudo verde e depois ficou amarelo, pois a vegetação foi queimada (Imagem: Reprodução/Dynamic World)

O modelo é capaz de produzir mais de 5 mil imagens por dia e os dados de cobertura do solo são atualizados continuamente. Isso permite que pesquisadores vejam rapidamente os impactos de coisas como incêndios ou furacões, o que obviamente permite uma ação mais rápida de combate.

O sistema foi desenvolvido em parceria com o World Resources Institute e agora tornado público em um artigo publicado na revista Nature’s Scientific Data. Segundo o Google, trata-se de um avanço imenso no setor de monitoramento, que ainda enfrenta dificuldades para lidar com informações em tempo real

Cobertura do solo em tempo real

O Google mostrou um print de tela da cidade de Nova York no qual é possível verificar a área construída marcada em vermelho. Alguns bolsões de grama (área verde) e arbustos ou mato alto (amarelo) são visualizados em meio a tudo isso, um indicativo dos parques da cidade.

O mapa da cidade de Nova York mostra as áreas construídas e as coberturas vegetais (Imagem: Reprodução/Dynamic World)

O mapeamento de cobertura do solo é uma área bastante complexa porque leva tempo para ficar pronto. Quando há uma queimada ou evento natural, por exemplo, pode existir uma grande lacuna de horas entre o momento de captura das imagens e os dados finalizados.

As metodologias atuais não conseguem detalhar com tanta precisão a diferença entre áreas construídas — modificadas pelo homem — para parques ou florestas situadas no ambiente das cidades. Em locais conhecidos, é fácil identificar a partir do cruzamento de mapas, mas em países vizinhos ou áreas inexploradas, nem sempre essa técnica apresenta resultados realísticos.

Fonte: Google  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.