Animais 3D do Google agora incluem mais 5 espécies ameaçadas; saiba como ver

Animais 3D do Google agora incluem mais 5 espécies ameaçadas; saiba como ver

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 15 de Outubro de 2021 às 11h00
Alveni Lisboa/Canaltech

Você lembra dos animais em 3D que o Google lançou há algum tempo para demonstrar os recursos de realidade aumentada no buscador? A partir de hoje, o "zoológico digital" será ampliado com mais cinco novas espécies, todas ameaçadas de extinção, fruto da parceria com a Sociedade Sueca para a Conservação da Natureza.

Serão incluídas a raposa-do-ártico, a toninha-comum, o lince, o pica-pau-de-dorso-branco e a bombus muscorum, chamada abelha grande. Todas esses bichos terão sua versão tridimensional junto de uma caixinha com informações bem completas sobre o animal — basta procurá-las no Google e clicar no botão "Visualizar em 3D". Se você quiser ver toda a movimentação dele no seu ambiente, para aproveitar a câmera e a funcionalidade de RA, basta tocar em "Exibir em seu espaço".

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O objetivo é servir como uma ferramenta educacional para informar sobre os bichos e alertar para a necessidade de proteger espécies ameaçadas de extinção. Alguns dos animais 3D, como a raposa-do-ártico, não são espécies ameaçadas de modo global, mas tiveram redução significativa na região escandinava nas últimas décadas.

Mas, porque esses animais foram escolhidos? Confira a explicação do Google:

  • O pica-pau-de-dorso-branco é afetado pela exploração madeireira;
  • A toninha-comum é afetada por toxinas e poluição sonora;
  • O habitat da raposa-do-ártico está em risco devido às mudanças climáticas;
  • O lince é afetado pelo tráfico e caça ilegal;
  • A abelha grande tem dificuldade em se alimentar devido ao número decrescente de flores

Realidade aumentada para bichos

A adição funciona exatamente como nas versões anteriores: você pode tirar fotos ou fazer vídeos com os animais, aumentar ou reduzir o tamanho e inseri-los em diversos contextos da sua vida. No ano passado, o Google apresentou modelos similares voltados para o aprendizado da química, com informações relacionadas à grupos funcionais e tipos de ligações, bem como substâncias como propanol, acetato de metila, alcanos e vários outros populares.

Os animais tridimensionais chegaram originalmente ao Google Search em 2019 com crocodilos, pandas, tubarões, tigres e polvos. Depois, várias outras espécies foram adicionadas — coelho, lobo cinzento, cabra alpina, águia, chow chow, leão e mais uma centena deles — seguidas por tipos diferentes de dinossauros.

O recurso só funciona para pesquisas realizadas no app do Google em celulares Android e iOS compatíveis com o ARCore, a plataforma para criação de situações de realidade aumentada — você pode conferir se o seu dispositivo oferece suporte neste site.

Fonte: Google  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.