Protestantes de Hong Kong destroem postes com sistemas de reconhecimento facial

Por Natalie Rosa | 27 de Agosto de 2019 às 11h15
Reprodução

Protestantes antigoverno de Hong Kong tiveram um alvo em especial no último fim de semana, destruindo torres que contavam com câmeras e sistemas de reconhecimento facial. Os atos começaram ainda em junho deste ano, contestando um projeto de lei sobre extradição.

O questionamento dos protestantes é que esses postes equipados com a tecnologia podem ser usados pelas autoridades chinesas para vigilância, prejudicando a privacidade individual e a democracia. "As informações privadas da população de Hong Kong já estão sendo extraditadas para a China. Nós temos de estar preocupados", disse Ventus Lau, organizador dos protestos.

O governo de Hong Kong alega que, na verdade, os postes com o sistema de reconhecimento facial são usados para coletar dados de tráfego, clima e medir a qualidade do ar.

Ainda devem ser instalados cerca de 400 postes inteligentes no território chinês em quatro áreas urbanas, sendo um dos distritos escolhidos se tornando alvo dos protestos. As manifestações seguem acontecendo e, depois de muito tempo, a polícia vem agindo de forma violenta e prendendo algumas pessoas.

Fonte: ABC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.