Tecido inteligente pode ajudar pessoas a respirarem melhor

Tecido inteligente pode ajudar pessoas a respirarem melhor

Por Gustavo Minari | Editado por Douglas Ciriaco | 22 de Outubro de 2021 às 15h18
Reprodução/MIT

Um novo tipo de fibra inteligente desenvolvido por pesquisadores do MIT, nos EUA, pode “sentir” e responder ao movimento dos usuários. Transformado em roupa, esse tecido detecta o quanto está sendo esticado ou comprimido, dando um feedback tátil em forma de pressão, alongamento lateral ou vibração.

O OmniFiber possui um canal central oco, permitindo que um meio fluídico passe por ele. Utilizando ar comprimido, as fibras são capazes de dobrar, esticar, enrolar e pulsar sob estímulos, fornecendo uma resposta em tempo real de uma maneira muito semelhante à observada em músculos artificiais.

“O que torna o OmniFiber notável é que ele não precisa de calor para mudar sua forma. Muitas fibras musculares artificiais existentes são ativadas termicamente, o que pode causar superaquecimento quando usadas em contato com a pele humana, com tempos de resposta e recuperação muito lentos”, explica a doutoranda em engenharia Ozgun Kilic Afsar, coautora do estudo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Fibra inteligente

O OmniFiber possui cinco camadas compostas por um canal de fluido interno, um tubo elástico à base de silicone, um sensor macio que detecta a deformação, um polímero trançado extensível que controla as dimensões externas e um filamento para garantir o limite mecânico do tecido, evitando que ele rasgue.

As fibras resultantes desse sistema de fabricação são extremamente finas, confortáveis, macias e flexíveis, podendo ser facilmente costuradas, tecidas ou tricotadas utilizando máquinas de costura convencionais, como qualquer outro tecido artificial semelhante ao poliéster comum.

“Este trabalho demonstra diferentes técnicas de tricô mecanizado, incluindo tecido em bloco e espaçadores ativos. Integrar o sensor de tensão ao feedback tátil é essencial quando falamos sobre interações vestíveis com tecidos capazes de responder a estímulos externos”, acrescenta Afsar.

Ajudando a respirar

Para testar a eficácia do tecido, os pesquisadores fizeram uma espécie de roupa íntima usada por cantores para monitorar e reproduzir o movimento dos músculos respiratórios. Por meio de um feedback cinestésico, eles utilizaram a mesma vestimenta para estimular a postura e os padrões respiratórios ideais para melhorar o desempenho vocal.

Esquema de funcionamento do OmniFiber (Imagem: Reprodução/MIT)

Além de cantores e profissionais da voz, a equipe espera que seu tecido inteligente seja usado na confecção de roupas para ajudar a ensinar atletas e pessoas debilitadas a controlar melhor a respiração. Outra aplicação seria utilizar o OmniFiber para auxiliar na recuperação do padrão respiratório natural de pessoas acometidas por doenças como covid-19.

“A fisiologia da respiração é bastante complexa. Não sabemos muito bem quais músculos usamos e em que consiste a fisiologia de respirar. Essas fibras possuem módulos separados para monitorar diferentes grupos de músculos conforme o usuário inspira e expira, reproduzindo os movimentos individuais que estimulam esse processo”, encerra Ozgun Kilic Afsar.

Fonte: MIT

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.