Revestimento alemão promete acabar com as marcas de dedo em eletrodomésticos

Por Rafael Rodrigues da Silva | 02 de Agosto de 2019 às 23h50

Sabe aquele seu eletrodoméstico com acabamento de metal escovado que é lindo enfeitando a cozinha, mas que você quase nunca usa porque é um martírio tentar tirar as marcas de dedo que ficam nele toda vez que o pega? Isso acontece porque, toda vez que você toca em algo, os seus dedos deixam uma fina camada de gordura no local que foi tocado. Essa camada é imperceptível na maioria das superfícies, mas ela fica muito vísivel em superfícies lisas e brilhantes, como espelhos e, claro, eletrodomésticos com acabamento de metal. E o caso dos eletrodomésticos é ainda pior porque o metal desses equipamentos apresenta ranhuras microscópicas por onde a gordura penetra - o que torna essas manchas um tanto difíceis de serem limpas.

Mas um grupo de químicos alemães está prestes a resolver esse problema: pesquisadores do Instituto Fraunhofen para Materiais e Sistemas e especialistas da FEW Chemicals desenvolveram em parceria um novo tipo de revestimento com nanopartículas que tornam a superfície onde ele for aplicada repelente à água e óleo.

Assim, quando este revestimento é aplicado no aço inoxidável, ele penetra nos sulcos mais profundos do metal, protegendo-o da penetração de qualquer tipo de líquido ou óleo. Na prática, isso faz com que, ao tocar nesses equipamentos, a mancha deixada por nossos dedos não apenas seja menos visível (pois a gordura expelida por eles irá grudar apenas na parte mais elevada dos sulcos do material), como também se torna muito mais fácil de limpar.

E, se você não curte ficar limpando seus eletrodomésticos toda hora, o revestimento possui um outro truque: ele modifica o índice de refração da luz do material para se igualar ao índice de refração dos óleos naturais expelidos pela pele. Isso faz com que, na prática, além de manchar menos por si só, a luz irá refletir de maneira praticamente igual tanto no metal “Imaculado” quanto no local onde você encostou o dedo, o que torna as manchas praticamente invisíveis - assim como já acontece em qualquer superfície que não seja lisa e brilhante.

O revestimento ainda está em fase de testes, mas a expectativa é de que ele comece a ser usado pelas empresas de eletrodomésticos já a partir de 2020. Por enquanto, os pesquisadores não entraram em detalhes sobre se o produto precisa ser aplicado durante o processo de fabricação do aparelho ou se os consumidores poderão usá-lo naqueles que já possuem, mas provavelmente só saberemos disso quando o produto for lançado oficialmente.

Fonte: New Atlas

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.