Neto constrói máquina para a avó de 96 anos enviar mensagens pelo Telegram 

Neto constrói máquina para a avó de 96 anos enviar mensagens pelo Telegram 

Por Alveni Lisboa | Editado por Luciana Zaramela | 26 de Abril de 2021 às 21h20
Reprodução/Manuel Dallo

A população mais afetada pela pandemia da COVID-19 foram os idosos. Além de a taxa de letalidade ser maior, eles são o público que mais precisa do isolamento social — e quem costuma sofrer mais com a ausência dos filhos e netos.

Pensando nisso que Manuel Lucio Dallo construiu o Yayagram, um projeto criado especialmente para ajudar a sua avó, de 96 anos, a enviar e receber mensagens de voz e texto pelo Telegram. Ele compartilhou as imagens da criação em seu perfil no Twitter e tem feito muito sucesso graças à criatividade. Já são mais de 73 mil curtidas e milhares de comentários em apoio.

O inventor e sua Yaya testando o "produto" (Imagem:  @mrcatacroquer/Instagram)

Como a vozinha do Manuel tem dificuldades para mexer na interface moderna e nos comandos sensíveis ao toque dos dispositivos, ele resolveu adaptar a tecnologia para os modelos de botões físicos e interruptores. O resultado foi o melhor possível: um aparelho com letras grandes, recursos e opções, portátil e que lembra um controle de máquinas de fliperama.

Para enviar uma mensagem, o usuário conecta fisicamente um cabo ao lado do nome do destinatário. Em seguida, é necessário pressionar e segurar um botão para gravar áudio no microfone integrado: o arquivo de voz chega como uma mensagem de áudio normal para o destinatário.

Aos poucos, ele foi dando um acabamento renovado e inserindo novos recursos no projeto (Imagem: @mrcatacroquer/Instagram)

Quando o operador do Yayagram recebe uma mensagem de texto, ela é impressa graças a impressora térmica acoplada. Assim, a vovó consegue ler tudo de forma física, sem precisar lidar com um celular. Yaya é um modo carinhoso de chamar a avó em espanhol, daí o nome curioso do acessório.

Montagem do Yayagram

O inventor é engenheiro sênior da empresa de software Plastic SCM e trouxe mais detalhes sobre como montou o curioso dispositivo neste tópico do Twitter:

O aparelho foi desenvolvido com a estrutura de um Raspberry Pi 4 e é executado em Python. O desenvolvedor precisou integrar várias bibliotecas de software de terceiros para unir a linguagem e fazer tudo funcionar corretamente. O Telegram foi escolhido por ter código aberto e ser mais fácil de manipular, em vez do WhatsApp ou outro serviço de mensagens.

Segundo ele, o microfone USB é um baratinho e a impressora é semelhante àquelas usadas em caixas de papelão. Todos os demais componentes usados foram reaproveitados da sua própria casa.

O projeto passou por vários estágios até chegar ao modelo com acabamento de mandeira (Imagem: @mrcatacroquer/Instagram)

Em declaração ao site The Verge, Dallo diz que a motivação dele foi o fato de possibilitar a comunicação entre a senhorinha e seus filhos e netos, que não podem visitá-la devido ao risco de contaminação. Alguns outros parentes moram distantes, o que também se torna outro empecilio no contato com a "Yaya".

Ele ressaltou que a avó tem deficiência auditiva, o que dificulta ligações e videochamadas. O Yayagram, por outro lado, dá a ela independência para escrever e ler mensagens por conta própria.

O que achou desta invenção? Teria potencial para vir para o mercado? Criatividade não falta quando as pessoas fazem algo com amor, não é? Comente e deixe sua opinião.

Fonte: Manuel Lucio Dallo, The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.