Espelhos giratórios são a nova aposta para produção de energia solar concentrada

Espelhos giratórios são a nova aposta para produção de energia solar concentrada

Por Gustavo Minari | Editado por Douglas Ciriaco | 29 de Junho de 2021 às 09h30
Reprodução/Heliogen

A empresa norte-americana Heliogen criou um sistema que usa uma grande quantidade de espelhos giratórios chamados heliostatos, capazes de refletir e armazenar a luz do Sol de maneira mais eficiente. A tecnologia produz energia solar concentrada por meio desses refletores instalados em áreas planas com alta luminosidade.

A primeira usina comercial de energia solar concentrada surgiu no final da década de 1960, mas foi deixada de lado por causa dos altos custos de produção, o que inviabilizava a distribuição da eletricidade em larga escala, principalmente para regiões mais afastadas do local de captação da energia.

Agora, o sistema térmico criado pela startup é capaz de produzir temperaturas de até 1.500º C, mais que o triplo do calor gerado por soluções anteriores. Eles usam um algoritmo de aprendizagem de máquina para posicionar os espelhos de forma precisa, com variação mínima de um vigésimo de grau. Isso torna o processo mais eficaz e comercialmente mais atrativo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Fazenda solar

Para baratear os custos de produção, a Heliogen usa câmeras que monitoram os espelhos no campo, levando em conta fatores como a cor do céu que é refletida nos painéis. Com base na aparência do clima, a IA decide como posicionar os espelhos para obter a quantidade máxima de energia solar.

Ao encontrar a posição ideal, todo o calor coletado é canalizado por um tubo de aço isolado até um leito de rochas. Essas pedras conseguem armazenar e reter energia térmica por muito tempo mesmo depois de anoitecer, favorecendo o abastecimento de regiões mais distantes do ponto de coleta.

Espelhos heliostáticos colatam a energia solar (Imagem: Reprodução/Heliogen)

A fazenda solar que está em fase de testes em Lancaster, na Califórnia, possui 400 espelhos heliostáticos, mas a ideia é construir um complexo muito maior com aproximadamente 40 mil refletores capazes de gerar energia limpa e renovável com valor competitivo.

"Para fornecer energia à Terra, precisamos cobrir centenas de quilômetros quadrados. Mas essa cobertura precisa ser feita de maneira econômica e sustentável em todos os níveis da cadeia de produção”, explica o fundador da Heliogen, Bill Gross, que conta com o apoio do xará Bill Gates, para viabilizar esse projeto.

Futuro

A nova refinaria solar gigante será totalmente automatizada, com tratores robóticos autônomos responsáveis pela colocação das bases heliostáticas e pelo alinhamento dos espelhos de forma mais eficiente, sem a necessidade de um operador humano e que possam trabalhar 24 horas por dia.

Os planos da empresa incluem a instalação de milhares de usinas de energia solar concentrada em todo o sudoeste dos EUA, África e Austrália até o final desta década, eliminando parte da dependência por combustíveis fósseis e reduzindo a pegada de carbono nesses países.

“Superar o preço dos combustíveis fósseis é a única coisa que importa. Se pudermos ser até uma fração de centavo mais baratos do que a gasolina e o óleo diesel, por exemplo, o mundo vai adotar isso em grande escala e isso mudará a maneira como a humanidade consome energia para sempre”, completa Bill Gross.

Fonte: Heliogen

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.