China teria disparado míssil hipersônico pela órbita baixa da Terra

China teria disparado míssil hipersônico pela órbita baixa da Terra

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 18 de Outubro de 2021 às 16h51
San Diego Air & Space Museum Archives/VisualHunt

Os EUA acusam a China de ter lançado um míssil hipersônico experimental, que circulou pela órbita baixa da Terra antes de atingir seu alvo, revelaram fontes anônimas ao site Financial Times. Segundo a publicação, as agências de inteligência dos EUA estão surpresas com o progresso da potência asiática em armas de altíssimo alcance.

“Não fazemos a menor ideia de como eles [a China] fizeram isso”, comentou um dos informantes ao FT. O míssil chinês teria dado a volta no planeta pela baixa órbita terrestre até alcançar o alvo original, que errou por cerca de 40 quilômetros. “O teste mostrou que a China fez um progresso surpreendente em armas hipersônicas e está muito mais avançada do que as autoridades americanas imaginavam”, pontuou duas das fontes consultadas pela reportagem.

Um míssil hipersônico supera cinco vezes a velocidade do som e pode contornar defesas terrestres (Imagem: Forest Katsch/Pexels)

Professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) especialista em armas nucleares chinesas, Taylor Fravel afirmou que uma arma nuclear que segue os moldes de um veículo planador hipersônico pode contornar o sistema de defesa dos EUA. “Veículos planadores hipersônicos voam em trajetórias mais baixas e podem manobrar durante o voo, o que dificulta o rastreamento e destruição”, explicou ele.

Não era um míssil, afirma China

Em resposta à reportagem do site Financial Times, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China disse que não se tratava de um míssil, mas um veículo espacial voltado para o transporte de pessoas que passava por um “teste de rotina”. Além disso, o teste teria ocorrido em julho, não em agosto, como apontava o relatório da inteligência estadunidense mencionado pelas fontes.

Ter veículos preparados para a reutilização assim que alcançam o solo é importante para a China, já que fornece um método mais barato e conveniente para viajarem ao espaço, pontuou o representante do ministério.

EUA e Rússia também desenvolvem mísseis hipersônicos

A reportagem ressalta que os Estados Unidos e a Rússia também focam no desenvolvimento de veículos hipersônicos, o que reforça essa tendência no setor bélico — foguetes hipersônicos voam a cinco vezes a velocidade do som (1.238 km/h no nível do mar). Obviamente, a existência de um míssil nesses moldes não implica que o modelo será lançado em um eventual ataque, mas os testes alimentam as tensões entre as grandes potências mundiais.

Fonte: Futurism, Financial Times, O Globo

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.