Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Bombas de calor prometem reduzir a pegada de carbono na produção de biogás

Por| Editado por Luciana Zaramela | 26 de Dezembro de 2022 às 17h00

Link copiado!

Reprodução/Glasgow University
Reprodução/Glasgow University

Pesquisadores da Universidade de Glasgow, na Escócia, desenvolveram um novo tipo de bomba de calor capaz de reduzir a pegada de carbono durante o processo de produção de biogás. A estimativa é que essa técnica consiga diminuir a emissão de poluentes em mais de 36%.

Segundo os cientistas, essa descoberta pode ajudar na descarbonização das redes elétricas, permitindo que comunidades isoladas produzam a própria energia que consomem localmente, sem depender de redes de distribuição ou outros sistemas poluentes para gerar eletricidade.

“Nossa abordagem utiliza a digestão anaeróbica de microorganismos em condições livres de oxigênio para decompor materiais biodegradáveis — como resíduos de alimentos e lodo de esgoto — e liberar o biogás. Essa mistura de metano e dióxido de carbono pode ser queimada para girar turbinas, gerando eletricidade de baixo carbono”, explica o professor Siming You, autor principal do estudo.

Continua após a publicidade

Bombas de calor

Máquinas conhecidas como biorreatores são usadas para manter a temperatura ideal durante a digestão anaeróbica para maximizar a quantidade de biogás gerado. Em vez de utilizar um sistema de aquecimento por meio de caldeiras alimentadas com gás natural, os cientistas usaram bombas que extraem o calor do ar.

Ao fazer essa substituição, a equipe do professor You constatou que o sistema baseado em bombas de calor emite significativamente menos carbono do que o dispositivo convencional que utiliza gás natural durante o processamento de resíduos de alimentos e lodo de esgoto.

“Em nossos testes utilizando um modelo de termodinâmica, a redução de carbono foi de até 28,1% em um processo de digestão anaeróbia mantida a uma temperatura de 55 °C. A uma temperatura mais baixa de 37,5 °C, a pegada de carbono foi reduzida ainda mais, atingindo o máximo de 36,1%”, acrescenta o professor You.

Resíduos biodegradáveis

Os seres humanos produzem resíduos biodegradáveis que vão desde escalas muito pequenas — como restos de comida — até sistemas muito maiores, como estações de tratamento de águas residuais urbanas. Quando se decompõem, esses resíduos liberam gases que podem ser prejudiciais ao meio ambiente.

Continua após a publicidade

Segundo os pesquisadores, ao aproveitar esses gases como fonte de produção de energia — em vez de deixá-los decair naturalmente — é possível reduzir o impacto direto que os processos de geração de eletricidade exercem sobre as mudanças climáticas ao redor do planeta.

“Essa abordagem pode ajudar no planejamento de futuras instalações de gerenciamento de resíduos, reduzindo drasticamente as pegadas de carbono. Com esse tipo de reciclagem descentralizada de resíduos poderemos fazer com que as pessoas produzam sua própria fonte de eletricidade”, encerra o professor Siming You.

Fonte: Glasgow University