Possível GPU Intel ARC aparece em teste de benchmark

Possível GPU Intel ARC aparece em teste de benchmark

Por Eduardo Moncken | Editado por Wallace Moté | 10 de Setembro de 2021 às 11h55
Divulgação/Intel

Confirmado que a Intel entrará para o mercado de placas de vídeo dedicadas, o mercado espera pela primeira linha de GPUs da marca. O lançamento é previsto para 2022, e a série ARC The Alchemist inclusive ganhou uma mascote que deverá estampar embalagens e produtos promocionais.

Enquanto especificações mais técnicas ficaram para depois, um teste de benchmark pode ter revelado o poder de uma das placas gráficas. Apesar de no vazamento a GPU ser descrita como “Intel Xe”, nenhum dos modelos atuais possui 512 unidades de execução, sendo essa uma configuração cogitada para um modelo avançado da série Intel ARC (possivelmente a já demonstrada DG2-512).

(Imagem: Divulgação/Intel)

Com 12 GB de memória de vídeo a um clock máximo de 1,8 GHz, a possível The Alchemist pontuou 34.360, número próximo ao marcado pelas placas Nvidia GTX 980, 1060 e Radeon RX 470. E o que isso significa? Não muita coisa. O teste envolveu apenas o desempenho em OpenCL, linguagem de programação que se utiliza de recursos de GPU e CPU. A experiência real envolve muitos outros fatores, que benchmarks mais diversos poderiam simular de maneira mais realista.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O teste foi feito com um notebook equipado com o Core i7-11800H de clock 2,29 GHz e 32 GB de memória RAM. Nada garante que a versão testada pela Intel seja a revisão final do produto para o mercado, especialmente se consideramos que a 12ª geração de processadores deve chegar ao mercado já em outubro.

A falta de chips

Com gerações posteriores já confirmadas, as GPUs Intel ARC marcam a tentativa da Intel de abocanhar sua fatia de mercado em uma área dominada por Nvidia e AMD. Dois são os grandes problemas dessa indústria hoje: a procura por placas de vídeo para mineração de criptomoedas, e os estoques reduzidos em virtude da escassez de chips.

O próprio CEO da Intel já comentou que a falta de semicondutores poderá se arrastar por anos, e esse é um problema que já afeta o Brasil. Como isso impactará os custos e produção das The Alchemist ainda não está claro.

Fonte: Twitter, Tech Radar

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.