Bruxaria?! Entenda como os novos SSDs da Samsung de 4 TB conseguem guardar 12 TB

Bruxaria?! Entenda como os novos SSDs da Samsung de 4 TB conseguem guardar 12 TB

Por Ramon de Souza | 13 de Novembro de 2020 às 23h30
Divulgação/Xilinx

Você provavelmente não sabia, mas, de terça-feira (10) até esta última quinta-feira (12), a cidade de Santa Clara, na Califórnia, recebeu o Flash Memory Summit, evento destinado a explorar novidades no setor de armazenamento informático. Embora muita coisa interessante tenha sido anunciada na exposição, a Samsung foi quem roubou a cena apresentando seu novo SmartSSD Computational Storage Drive (CSD).

Estamos falando de um novo tipo de SSD que é capaz de armazenar mais informação do que ele teoricamente teria. O modelo revelado possui 4 TB de espaço, mas, graças a uma tecnologia altamente avançada conhecida como "compressão transparente acelerada", consegue guardar 12 TB comprimindo tais dados na escrita (e realizando a descompressão para eventuais leituras). Até parece bruxaria, mas é só inteligência artificial mesmo.

Ademais, os SSDs CSD possuem um processador próprio fornecido pela startup californiana Xilinx, combinado com uma memória RAM interna de 4 GB. Esses componentes permitem que o drive se gerencie de forma autônoma, poupando o poder computacional da CPU e da RAM do próprio computador. A taxa de leitura é de 3,5 MB/s e a de gravação é de 3,2 MB/s; números nem tão impressionantes assim — mas há um porém.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Imagem: Divulgação/Xilinx

A ideia é que esse novo invento não seja destinado ao uso doméstico — a Samsung projetou os gadgets para ambientes corporativos. Seu autogerenciamento e a compressão automática o tornam perfeito para soluções de Big Data e redes neurais para aprendizagem de máquina, especialmente se levarmos em conta que ele possibilita pesquisas de dados 100 vezes mais ágeis do que em um SSD comum.

Justamente por se tratar de uma solução corporativa e ainda experimental, não há uma expectativa de quando os SSDs CSD chegarão ao consumidor final; e tampouco quanto custarão. Então, ressaltando: não espere poder equipar um desses em seu desktop residencial tão cedo.

Fonte: Explica

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.