O que levar em consideração ao comprar uma fonte de alimentação?

Por Pedro Cipoli
Fonte Raidmax RX630SS 02

Componente muitas vezes relegado a segundo plano na hora de montar um computador, a fonte de alimentação é talvez a peça mais importante para manter o funcionamento estável da máquina por longos períodos de tempo. No entanto, não é raro encontrar usuários que investem em uma configuração bastante respeitável que já começa a apresentar instabilidades logo nos primeiros meses devido ao não fornecimento correto de energia.

Ao montarmos um computador é importante dimensionarmos quanto cada componente gastará, colocar uma margem de segurança e comprar um modelo adequado. Como exemplo, pense em um computador com a seguinte configuração e os respectivos gastos energéticos de cada peça:

- um processador Intel Core i7 3770K (77 Watts);

- 16 GB de memória RAM DDR3 (4x7 watts);

- placa-mãe (aproximadamente 25 watts);

- 1 disco rígido (10 Watts);

- placa de vídeo NVIDIA GTX 670 (170 watts);

- e a própria fonte de alimentação (20 watts).

Esta máquina precisa de aproximadamente 330 watts para funcionar, mas uma fonte de 450 watts é uma melhor opção tanto por segurança quanto pela margem de upgrade - você pode querer melhorar o processador ou aumentar a quantidade de memória no futuro, certo?

Um outro fator importante que costuma pegar muitos usuários de surpresa é a criatividade dos fabricantes em inflar as capacidades de modelos genéricos. É bastante comum ver fontes de 500 watts "nominais" anunciarem que são capazes de oferecer apenas 280 watts "reais". Isso significa que elas são basicamente modelos de 280 watts que conseguem chegar a 500 watts apenas em situações de pico, mas, na prática, entregam apenas a parte "real" para os componentes importantes (CPU, placa-mãe, etc).

Esse é o motivo de encontrarmos modelos que em teoria oferecem a mesma potência com diferenças de preços tão grandes, e o mercado de fontes de alimentação é onde mais observamos que a qualidade está diretamente relacionada com marca. Fabricantes de modelos de alto desempenho, como Thermaltake, Corsair, 3R Systems, não arriscam colocar no mercado modelos de baixa qualidade para não manchar a própria marca. Então, investir em produtos reconhecidos é a melhor escolha nesses casos.

Para entendermos porque isso acontece, vamos imaginar que precisemos de um modelo de fonte (também conhecida como PSU - Power Supply Unit) para uma configuração que exija no máximo 300 watts de energia em pico. Trouxemos duas opções para o nosso laboratório: uma Sentey BCP450-OC de 450 watts e uma Raidmax HYBRID RX-630SS de 630 watts, a primeira custando aproximadamente R$ 50 e a segunda por volta dos R$ 210.

Raidmax Fonte RX630SS 03

À primeira vista o modelo da Sentey parece ser a que apresenta a melhor relação custo-benefício, afinal, as especificações dizem que ela tem potência de sobra para abastecer o PC, não justificando investir 4 vezes mais em um modelo com mais potência. Mas vamos olhar com um pouco mais de atenção. O modelo da Sentey oferece 450 watts só em pico, entregando apenas 250 watts de forma "estável" para a máquina. Já a RX-630SS entrega os 630 watts prometidos em qualquer situação.

Além da segurança, uma dica muito importante na hora de montar uma máquina é dimensionar a fonte para que ela trabalhe com cerca de 50% de sua carga máxima por dois principais motivos. Em primeiro lugar porque permite ao usuário realizar upgrades de alguns componentes, como trocar a placa de vídeo, o processador ou mesmo adicionar um novo disco sabendo que possui margem de energia da fonte para isso.

Em segundo lugar, fontes de qualidade possuem uma eficiência energética muito maior quando estão próximas de 50% da carga de trabalho, o que a longo prazo significa uma boa economia na conta de luz - o que paga o investimento em uma fonte de qualidade. O modelo da Sentey traz uma eficiência de 60-70% enquanto a RX-630SS trabalha próximo dos 80%, consumindo menos energia e esquentando menos.

Além de fornecer a energia anunciada, as PSUs são a primeira linha de defesa contra as variações da rede elétrica que podem desgastar os componentes internos com o tempo ou mesmo queimá-los. Por isso, algumas fontes trazem vários circuitos de proteção contra elas para que o usuário não precise ficar preocupado com quedas de energia, picos de tensão ou tempestades com raios.

Estes circuitos são identificados por siglas, como OCP (Over Current Protection), OPP (Over Power Protection), UVP (Under Voltage Protection), OVP (Over Voltage Protection) e SCP (Short Circuit Protection), sendo que cada uma representa um circuito independente de proteção contra váriações na tensão, corrente e curto-circuito, estando todas presentes no modelo da Raidmax e não no da Sentey.

Fonte Raidmax RX630SS 01

Viu como fontes não servem apenas para transformar a energia que vem da rede elétrica (corrente alternada - CA) em um uma forma que os componentes consigam trabalhar (corrente contínua - CC)? É melhor gastar mais inicialmente do que colocar componentes mais valiosos em risco por qualquer variação no fornecimento de energia.

Todos esse detalhes devem ser observados na hora da compra, e geralmente a qualidade das fontes pode facilmente ser estimada pelo fabricante que a coloca mo mercado. Empresas como Raidmax, Corsair e Thermaltake prezam por sua popularidade de fabricantes de produtos de alta qualidade, não colocando produtos nas prateleiras que não correspondam aos seus requisitos mínimos de qualidade. Sempre procure modelos de qualidade, para acabar não perdendo o investimento no resto dos componentes.

Já se arrependeu de comprar uma fonte genérica? Conte para nós!

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.