Star Wars: Battlefront traz a Força de volta aos games em grande estilo

Por Durval Ramos
photo_camera Divulgação

Para aproveitar tudo aquilo que Star Wars: Battlefront tem a oferecer, não basta apenas ser fã da franquia Guerra nas Estrelas. Embora o game seja totalmente inspirado na saga, com cenários que recriam as principais batalhas e colocando forças do Império e da Aliança Rebelde frente a frente, o jogo pende muito mais para o lado dos tiroteios online do que para o de uma adaptação propriamente dita.

Desde que a Electronic Arts anunciou o título, ela já havia deixado claro que a ideia não era recontar a história dos filmes, mas trazer as principais batalhas da trilogia clássica a partir de uma proposta bem mais voltada para o multiplayer. Sem uma campanha, a ideia era simplesmente colocar o jogador dentro desses momentos icônicos em uma série de partidas online.

E é aí que você começa a perceber que Battlefront é muito mais voltado para os amantes de FPS do que para os fãs de Star Wars. Tanto que, por mais que você nunca tenha assistido a um único filme, é possível entender o que está acontecendo e se virar muito bem em meio aos tiroteios, ao passo que aquele apaixonado pela saga da família Skywalker que não tem tanta familiaridade com o gênero pode não aproveitar o título da mesma maneira.

Star Wars Battlefront

Isso faz com que seja impossível fugir da imagem de que o game nada mais é do que um Battlefield qualquer com skins de Star Wars. Afinal, toda a mecânica é bem parecida e a própria experiência centrada no multiplayer reforça isso, visto que o modo online sempre foi o forte da franquia bélica da DICE. Por outro lado, à medida que você explora cada um dos modos, vários detalhes e elementos únicos dos filmes começam a dar as caras e a mostrar que, apesar de tudo, Battlefront ainda respeita e muito o conteúdo original.

Só que essa pegada está bem longe de ser um problema.

Direto à ação

Como dito, a experiência da DICE sempre foi voltada para o multiplayer e ela decidiu se concentrar apenas nisso em Star Wars: Battlefront. Isso significa que o game não traz uma campanha por trás e nem coisa parecida. Tudo aqui se resume a entrar em partidas online e dar mais força à guerra entre Aliança Rebelde e forças do Império.

Star Wars: Battlefront

E, para compensar a falta desse elemento narrativo, o estúdio recheou o game com vários modos para agradar aos mais diferentes perfis de jogadores. Ao todo, são nove estilos de jogo que variam bastante entre si, indo do bom e velho Team Deathmatch ao caos e à enormidade do Supremacia, que coloca 40 jogadores em um único mapa para trocarem tiros.

Mesmo com a roupagem de Star Wars, os veteranos de FPS vão se sentir em casa por aqui, sobretudo aqueles que já têm uma experiência com qualquer outro Battlefield. Tanto que cada um desses modos é uma variação daquilo que outros jogos já oferecem, como conquistar áreas específicas, tomar a bandeira ou apenas acabar com o time rival o máximo possível. Ao mesmo tempo, o cuidado de adaptar os elementos dos filmes dá uma identidade própria ao jogo e faz com que ele fique longe de ser apenas um shooter genérico.

Assim, se você for um apaixonado pelos Jedis e seu legado, certamente vai se empolgar com cada uma dessas adequações, seja na hora de capturar o drone inimigo ou mesmo com as pequenas mudanças feitas na própria mecânica. Ao invés de ter de ficar recarregando suas armas, por exemplo, as pistolas laser superaquecem e é preciso ter o timing correto para reativá-las para voltar à ação o mais rápido possível. São pequenos elementos que podem não ser cruciais para a experiência como um todo, mas fazem toda a diferença para quem conhece aquele universo.

Star Wars: Battlefront

Além disso, essas adaptações fazem com que a jogabilidade seja simplificada. Sem todas as particularidades que muitos FPS trazem, o jogo se torna acessível para todos os públicos, mesmo para quem não está habituado ao gênero. É claro que jogadores mais experientes vão se dar melhor, mas um novato consegue se localizar e aproveitar tudo em questão de minutos.

A Força do seu lado

Porém, como dito anteriormente, essa impressão de que Star Wars: Battlefront é um Battlefield com skins dos filmes é algo que fica só à primeira vista e você logo percebe as diferenças que existem entre esses títulos. E a mais notável delas é a presença de personagens da série em alguns modos de jogo, o que cria uma experiência bem diferente.

Star Wars: Battlefront

O principal deles é o chamado Heróis vs Vilões, em que metade de cada um dos dois times é formada pelos protagonistas da série. Assim, Luke, Leia e Han Solo se unem aos rebeldes na tentativa de parar Darth Vader, Boba Fett e o Imperador Palpatine antes que os Stormtroopers acabem com os protagonistas. É uma modalidade diferente e bem frenética, já que os demais jogadores precisam se preocupar tanto em acabar com os personagens inimigos quanto proteger seu ilustres aliados.

Até mesmo as batalhas áreas contam com essas participações especiais, com destaque para a Millennium Falcon. No modo Esquadrão de Caças, com X-Wings e Tie Fighters disparando sem parar, é incrível ver a icônica nave de Han Solo cortando o céu.

Contudo, a grande estrela de Star Wars: Battlefront são os modos em que 40 jogadores são colocados em um único mapa, ajudando a criar a sensação de guerra que o game propõe. Tanto que, quando isso acontece, a coisa fica tão caótica que é impossível ficar vivo por mais do que alguns minutos.

Star Wars: Battlefront

No caso do Supremacia, por exemplo, as coisas ainda flertam bastante com aquilo que os jogadores de Battlefield já conhecem. A ideia de conquistar pontos estratégicos para fazer o outro time recuar é algo que já existe na série bélica, mas aqui fica bem mais frenético graças à possibilidade de invocar as famosas naves da série e sair atirando em tudo com uma X-Wing ou uma Tie Fighter. Isso sem falar na possibilidade de trazer os heróis para o campo de batalha.

Já o modo Batalha dos Walkers segue a mesma lógica, mas em proporções ainda maiores. Trata-se daquela mesma modalidade que vimos ao longo dos trailers e demonstrações liberadas pela EA, em que os jogadores da Aliança Rebelde precisam se unir para derrubar os gigantescos AT-AT. Para isso, eles contam tanto com a presença dos heróis (e vilões, no caso do exército imperial) da série e uma série de outros veículos. Juntamente com as naves, ainda é possível encontrar as Speeders em alguns cenários ou pilotar um AT-AT para mostrar a esses revoltosos qual é o seu lugar.

Star Wars Battlefront

Não é à toa que esse é o modo mais divertido de Star Wars: Battlefront, ainda que tenha sido difícil encontrar salas disponíveis em nossos testes. Afinal, como é preciso ter 40 pessoas para dar início à partida, nem todo mundo tinha paciência para ficar esperando. E isso nem é um problema do matchmaking, que funciona muito bem na hora de encontrar sessões com jogadores próximos.

Na verdade, talvez o ponto que mais incomoda em relação ao multiplayer do jogo é a pouca variedade dos cenários. Ao todo, são apenas nove mapas disponíveis e nem todos estão liberados em alguns modos. Isso faz com que as coisas fiquem rapidamente repetitivas, principalmente se lembrarmos que algumas das modalidades existentes vão ser deixadas de lado pelos jogadores.

Os perigos de ir sozinho

Isso não quer dizer, porém, que Star Wars: Battlefront não possua um modo single player disponível. No entanto, a parte voltada para um único jogador é muito mais um grande tutorial do que algo que realmente faça com que você se interesse a revisitá-lo diversas vezes. Dividido em um sistema de missões, ele apresenta cada um dos modos presentes no multiplayer, mas substituindo os demais jogadores por bots.

Star Wars: Battlefront

Isso diminui a dificuldade consideravelmente, embora sirva tanto para você se habituar aos mapas quanto aos controles e às próprias mecânicas gerais do jogo. Mais do que isso, cada estágio possui alguns desafios que fornecem dinheiro quando completados. Isso faz com que passar alguns poucos minutos brincando sozinho pode ser uma ótima forma de já entrar no playground para brincar com as outras crianças devidamente equipado.

Por outro lado, se aventurar sem um companheiro ao seu lado é algo muito chato. Como não há nenhum elemento narrativo, esses confrontos solitários acabam ficando sem ritmo e se tornam maçantes em pouco tempo. E, embora seja possível jogar com outro jogador, ele precisa ser seu amigo para entrar na partida, uma vez que as missões não contam com um sistema de matchmaking para unir desconhecidos.

A Força brilha forte

Não há como negar que uma campanha ou algum outro elemento narrativo fazem falta, principalmente para quem queria ver o excelente trabalho da DICE na parte técnica sendo usada para recontar pelo menos algumas partes da história clássica. Star Wars: Battlefront é um dos títulos mais lindos desta geração, com visuais incríveis e muito detalhados — e tudo rodando de maneira bem estável, incluindo nos consoles — e seria fantástico ver isso sendo usado em algo maior.

Star Wars Battlefront

No entanto, a decisão de eliminar esse aspecto para se concentrar apenas na ação não é algo que prejudica o game em nada. Ele foca apenas naquilo que muitos fãs mais gostam dentro da saga e consegue fazer com que cada uma dessas batalhas fique ainda mais épica. Há um cuidado e um respeito enorme com o material original e nem mesmo a alma de Battlefield que foi incorporada por aqui ofusca essa característica. Ainda que Battlefront seja voltado muito mais para os jogadores de FPS do que para os fãs dos filmes, não há como não se divertir e empolgar.

Assim, por mais que tiroteios online não sejam a sua praia, Star Wars: Battlefront consegue fazer com que tudo seja acessível para todos os públicos. É claro que aqueles que se aventurarem nos diferentes modos vão poder aproveitar muito mais o que o game oferece, mas ele ainda consegue trazer elementos para agradar a diferentes tipos de público. Seja em meio à neve em Hoth, nas florestas de Endor ou cruzando os céus com a sua X-Wing, a Força é intensa por aqui.