Reembolsos de Cyberpunk 2077 representaram 9% do faturamento da CD Projekt Red

Reembolsos de Cyberpunk 2077 representaram 9% do faturamento da CD Projekt Red

Por Felipe Demartini | Editado por Jones Oliveira | 23 de Abril de 2021 às 10h58
Divulgação/CD Projekt Red

O que se acreditava ser uma grande onda de estornos e devoluções após o lançamento de Cyberpunk 2077 não chegou a 10% do faturamento total da CD Projekt Red em 2020. De acordo com números divulgados pela empresa nesta sexta-feira (23), o volume de reembolsos representou perdas de US$ 51,2 milhões, enquanto a empresa faturou, ao longo do ano, um total de US$ 563 milhões.

Apesar dos problemas, a produtora polonesa considerou o período bastante positivo, ainda que seu principal título tenha sido responsável por perdas de 9% do faturamento total, por conta de reembolsos. Os valores, afirma a companhia, são referentes às devoluções de dinheiro, custos de licenciamento e outros ajustes realizados durante a janela de lançamento de Cyberpunk 2077, no quarto trimestre de 2020. No ano, o lucro foi de US$ 303 milhões, mais de quatro vezes maior que o registrado em 2019.

Os valores representam tanto as devoluções digitais quanto em lojas físicas, mas a desenvolvedora não revelou o total absoluto de cópias. Tais números foram divulgados apenas em relação ao próprio programa de desistência criado pela companhia para ajudar os compradores insatisfeitos em plataformas que não ofereciam uma maneira fácil de executar o processo, como é o caso da PlayStation Network. Na iniciativa, foram cerca de 30 mil unidades reembolsadas, com US$ 2,23 milhões em perdas.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

É, também, uma parcela baixa em relação ao total de 13,7 milhões de cópias de Cyberpunk 2077 vendidas mundialmente entre o lançamento, em 17 de setembro, e o final de 2020. 56% das vendas aconteceram no PC e Stadia, enquanto o PlayStation ficou em segundo lugar, com 28%, e Xbox em terceiro, com 17%. Vale a pena lembrar que, apenas semanas depois da liberação do título, e diante da onda de pedidos de reembolso, a Sony removeu o game de sua loja digital, para a qual o título ainda não retornou.

Ao divulgar os relatórios, a CD Projekt Red citou 2020 como o ano mais movimentado de sua história, que culminou no lançamento do projeto mais ambicioso já desenvolvido pelo time. Para o diretor financeiro Piotr Nielubowicz, ainda que o cronograma tenha sido seguido pela equipe, mesmo em um momento desafiador de pandemia, as críticas positivas quanto ao mundo do game e negativas quanto à sua performance foram ouvidas pelo estúdio, que trabalham duro tanto para garantir a satisfação dos consumidores que quiserem devolver o game quanto os que desejarem esperar pelas correções que estão a caminho.

Afinal de contas, estamos falando de um game que, de acordo com o executivo, representará um dos pilares da estratégia da desenvolvedora para os próximos anos, junto com a franquia The Witcher. Segundo o executivo, os trabalhos continuam nas atualizações prometidas para Cyberpunk 2077, incluindo a otimização para a nova geração de consoles, bem como o lançamento de uma versão com upgrades do game do bruxeiro.

Outros números

A série protagonizada por Geralt, inclusive, continua de vento em popa. 2020 foi o ano de quinto aniversário do lançamento de The Witcher 3: Wild Hunt e o período de maior vendagem do título desde sua chegada original às lojas. No total, a saga ultrapassou a marca de 50 milhões de unidades comercializadas, sendo que mais de 30 milhões foram, apenas, do terceiro jogo.

Gwent, o game de cartas desse universo, também teve o maior faturamento desde seu lançamento, muito por conta dos lançamentos de versões finais para iOS e Android. Nielubowicz também chamou a atenção para o soft launch de The Witcher: Monster Slayer, game mobile de realidade aumentada que deve ser lançado em todo o mundo no final do primeiro semestre e também é visto como um potencializados de números para a marca.

Por fim, um espaço foi dedicado à plataforma GOG.com. A empresa fala em mais de 1.000 títulos lançados em 2020 e um aumento consistente no número de usuários ano a ano — foram mais de US$ 90 milhões em faturamento no ano passado, com lucros na casa dos US$ 5,2 milhões. As vendas de Cyberpunk 2077, mesmo incluindo os reembolsos feitos depois, têm muito a ver com isso.

Fonte: CD Projekt Red

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.