Activision Blizzard é processada por investidores; chefe de RH deixa a empresa

Activision Blizzard é processada por investidores; chefe de RH deixa a empresa

Por Felipe Goldenboy | Editado por Bruna Penilhas | 04 de Agosto de 2021 às 12h34
Reprodução/Activision Blizzard

A Activision Blizzard já foi processada pelo estado da Califórnia, nos Estados Unidos, por manter uma cultura de assédio sexual entre os funcionários. Nesta terça-feira (3), a empresa foi processada de novo: desta vez, pelos próprios acionistas.

Além disso, o vice-presidente sênior de RH da Blizzard, Jesse Meschuk, deixou a empresa também nesta terça-feira. O estúdio não comentou o ocorrido, e Jesse chegou a excluir sua conta no Twitter. No mesmo dia, o presidente da Blizzard, J. Allen Brack, deixou o cargo para buscar “novas oportunidades”.

Jesse Meschuk, ex-chefe global do RH. O setor foi acusado de ser conivente com denúncias de assédio sexual (Foto: Reprodução/Redes sociais/Jesse Meschuk)

Presidente e RH da Blizzard foram citados no primeiro processo

Tanto Brack quanto Jesse estavam cientes ou encorajavam a cultura tóxica da Blizzard, segundo a ação judicial movida pelo estado da Califórnia. O documento afirma que os funcionários eram “desencorajados a reclamar, porque o pessoal de recursos humanos era conhecido por ficar do lado dos supostos assediadores”.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Inclusive, segundo o site Kotaku, uma pessoa que trabalhava no RH estava na foto da “suíte Cosby”, quarto de hotel onde aconteciam festas durante a BlizzCon de 2013. O nome do quarto faz alusão ao ator Bill Cosby, acusado de assédio sexual e estupro.

O ex-diretor criativo de World of Warcraft, Alex Afrasiabi (no centro, de preto) junto com outros executivos na chamada "suíte Cosby" (Foto: Reprodução/Kotaku)

Empresa foi processada de novo por omitir escândalos

Em meio ao turbilhão de um processo, vaivéns de executivos e greve de funcionários, a Activision Blizzard foi processada pelos próprios acionistas por não comunicar tais problemas anteriormente. Conforme informado pelo Kotaku, o grupo alega que a empresa tentou inflar artificialmente suas ações — cujos preços têm caído desde o estopim dos relatos.

O processo pede indenização por danos a todos que negociaram ações da empresa entre os dias 6 de agosto de 2016 e 27 de julho de 2021. O texto alega que a empresa violou as leis de títulos federais do país por dar declarações falsas aos investidores durante esse período.

Além de acusar a Activision Blizzard na totalidade, o processo também cita como réu o CEO Bobby Kotick, o diretor financeiro Dennis Durkin e seu antecessor, Spencer Neumann. Segundo os acionistas, os três executivos foram “fundamentais na divulgação de informações falsas”.

Ações da Activision Blizzard caíram bruscamente após a divulgação do primeiro processo judicial (Captura de tela: Felipe Goldenboy/Canaltech)

Quem entrou com o processo na Justiça americana foi o escritório de advocacia The Rosen Law Firm; o mesmo por trás da ação coletiva de investidores contra a CD Projekt Red, após o fiasco do lançamento de Cyberpunk 2077, em 2020.

Empresa se reuniu com investidores no mesmo dia em que foi processada por eles

Na noite de terça-feira (3), mesmo dia em que a Activision Blizzard foi processada, ocorreu uma conferência para apresentação dos lucros do segundo trimestre. Houve uma sessão de perguntas e respostas no fim da conferência — a maioria foi sobre dinheiro; poucas abordaram os escândalos.

Segundo o analista Daniel Ahmad, da Niko Partners, Kotick abriu a conferência afirmando que a empresa continuará investigando denúncias internas, e que qualquer gerente ou líder que “impeça a integridade do nosso progresso” será demitido. Ele também afirmou que a empresa analisará e removerá conteúdos “inapropriados” dos seus jogos.

Bobby Kotick, CEO Activision Blizzard. Acionistas alegam que ele foi fundamental para a "divulgação de informações falsas" (Foto: Divulgação/Activision Blizzard)

Alguns destaques do trimestre foram:

  • Call of Duty Mobile está chegando perto de arrecadar US$ 1 bilhão;
  • World of Warcraft tem mais jogadores que o esperado, visto que não há nenhuma expansão chegando neste ano;
  • A Blizzard terá novos conteúdos nos próximos 18 meses.

Durante a sessão de perguntas, um acionista perguntou “o que a Activision tem feito em relação ao processo e aos funcionários, e como isso impacta o fluxo de produtividade”. A empresa respondeu que está contratando uma equipe mais diversa, que homens e mulheres são pagos igualmente, e que está feliz por ter uma nova liderança na Blizzard para impulsionar mudanças.

“Como Mike e Jen reconstruirão o segmento? Como essa situação não afeta a produção?”, perguntou outra pessoa, referindo-se à saída de J. Allen Brack da presidência da Blizzard e à sua substituição por dois colíderes, Mike Ybarra e Jen Oneal. A resposta foi:

“Nada é mais importante do que as pessoas da Blizzard. Progressos ainda estão sendo feitos em Diablo e em Overwatch. Os funcionários são apaixonados pelos jogos. Estamos expandindo nossas equipes da Blizzard. Muito trabalho pela frente, mas a paixão e a produtividade ainda estão aqui. Quando eles se sentem seguros e apoiados, podem se destacar. Estamos animados com o futuro e construindo uma nova cultura. A nova programação jogos está maior que nunca."

Fonte: Activision Blizzard, Daniel Ahmad (1, 2) Kotaku (1, 2)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.