“Sabor digital”? Novo dispositivo promete recriar qualquer tipo de gosto

Por Claudio Yuge | 22 de Maio de 2020 às 20h30
Meiji University

A vontade de reproduzir o sabor de comida com o uso de tecnologia não vem de hoje. Muitos pesquisadores vêm tentando “traduzir” virtualmente o paladar, mas até agora todas as tentativas esbarravam em limitações — ou a “conversão” apenas lembrava a sensação original, ou o foco era em algum alimento, ou em uma característica específica. Agora, uma nova tecnologia promete te dar realmente a sensação de estar provando algo agridoce apenas com o toque da sua língua em um gadget esquisito.

Para chegar ao dispositivo, o pesquisador Homei Miashita, da Universidade Meiji, no Japão, inspirou-se no funcionamento do sistema de cores que conhecemos como RGB. A sigla vem de Red (vermelho), Green (verde) e Blue (azul), o modelo usado desde os anos 50 para fazer com que nossos olhos vejam conteúdo colorido nas telas, TVs e vários outros dispositivos eletrônicos presentes em nosso cotidiano. É a partir dessas três cores primárias que os aparelhos podem exibir quase 17 milhões de combinações.

Bem, anos atrás, pensava-se que os sabores doces, azedos, salgados e amargos ficavam em diferentes lugares na língua. Agora, sabemos que há um quinto sabor, o umami; e que o paladar, na verdade, não é formado por seções tão distintas — e sim de maneira mais uniforme, espalhada por toda superfície da língua.

Dispositivo conta com substâncias que simulam cada um dos cinco sabores do paladar
(Reprodução/Universidade Meiji)

Da mesma forma que o sistema RGB “engana” nossa visão, combinando três cores para chegar ao colorido que vemos, Miashita pensou em um dispositivo que pudesse reproduzir cada sabor em cinco pontos com substâncias em um gel. Ao tocar esse aparelho na língua, sua tecnologia pode misturar doce, azedo, salgado, amargo e umami, para reproduzir e até criar qualquer tipo de gosto. Assim, nasceu o Norimaki Synthesizer, ou “Tela de Sabor” — uma referência à inspiração vinda do RGB, já que não há uso de displays.

Como funciona?

O aparelho, que ainda está na fase de protótipo, é um bastão recheado desengonçado cheio de componentes eletrônicos. Sua superfície possui cinco pontos alimentados por diferentes tubos de gel. Cada um tem sua cor e usa uma substância para recriar um sabor: glicina representa o doce, ácido cítrico a acidez, cloreto de sódio o salgado, cloreto de magnésio o amargo e sódio glutâmico o umami.

Quando o dispositivo é pressionado contra a língua, o usuário experimenta todos os cinco gostos simultaneamente. Os sabores específicos são criados a partir de uma combinação da quantidade e da intensidade — assim como nos pixels RGB. Para isso, o protótipo é envolto em papel de cobre, de modo que, quando é segurado na mão e tocado com a superfície da língua, forma um circuito elétrico através do corpo humano, facilitando uma técnica conhecida como eletroforese.

Os tubos com gel de cada substância (Reprodução/Universidade Meiji)

Ativada pela corrente elétrica, a eletroforese move as moléculas, permitindo que elas sejam classificadas por tamanho nos poros do gel. Assim, a combinação desejada afasta da superfície da língua os ingredientes dos tubos, de acordo com a seleção. O processo subtrativo remove a intensidade e a quantidade irrelevante de cada sabor para chegar a um gosto específico.

E deu certo?

Nos testes realizados até agora, o Norimaki Synthesizer permitiu que os usuários realmente sentissem o sabor de tudo que experimentaram até agora, de balas de goma a sushi — sem ter que colocar um único alimento na boca.

Como dá para notar, a versão inicial do protótipo é bem feia e desajeitada, mas há a possibilidade de diminuir o hardware para que ele fique tão compacto quanto um cigarro eletrônico. Ainda não há detalhes sobre as consequências disso para a saúde, mas já imaginamos vários usos para a novidade.

Bateu aquela vontade de comer bolo e está de dieta? Quer tomar refrigerante, mas é diabético? Precisa tirar o gosto de alho da boca? É só sacar sua “Tela de Sabor” do bolso e resolver rapidamente essas questões. Bem, ainda não há previsão de uma versão comercial e não se sabe onde e como o Norimaki Synthesizer será aplicado. Contudo, desde já, não deixa de ser curioso. E você, o que achou? Diz para a gente nos comentários o sabor portátil que gostaria de ter.

Fonte: Gizmodo  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.