Embaixador canadense na China é demitido após comentários sobre caso Huawei

Por Felipe Demartini | 28 de Janeiro de 2019 às 12h51
Canada Diario
Tudo sobre

Huawei

Saiba tudo sobre Huawei

Ver mais

O primeiro ministro do Canadá, Justin Trudeau, anunciou neste final de semana a demissão do embaixador do país na China, John McCallum. Em nota oficial, ele disse ter solicitado e aceitado a renúncia do oficial, que atuava junto ao governo do país há mais de 20 anos e estava em Pequim como diplomata desde 2017. Os motivos não foram especificados na nota à imprensa, mas estariam relacionados a comentários negativos sobre o caso Huawei.

Desde a prisão da diretora financeira Meng Wanzhou, McCallum não se mostrou exatamente favorável à parceria entre Canadá e EUA em relação ao caso. Como embaixador canadense na China, é óbvio que ele estava no centro de toda a questão, mas suas declarações teriam soado negativas a Trudeau, que teria pedido sua renúncia na última sexta-feira (25).

A gota d’água teriam sido os comentários feitos na última terça-feira (22), em uma coletiva à imprensa, na qual o diplomata afirmou que Meng seria capaz de escapar da extradição para os EUA e que teria fortes argumentos em sua defesa. Ela, na posição de diretora financeira da Huawei, é acusada de espionagem e de quebrar sanções internacionais impostas pelos EUA a empresas com sede no país ao negociar tecnologia com nações como Irã e Coreia do Norte. A fabricante nega tudo.

No passado, McCallum também deu a entender que a prisão teria motivações políticas e que representaria uma aproximação ainda maior entre Canadá e EUA, mas em detrimento das relações com a China. A detenção de Meng, afirmou ele em outras declarações, teria causado dores de cabeça consideráveis e prejudicado os trabalhos diplomáticos entre os dois países, gerando retaliações que envolveram a prisão de dois canadenses em território chinês.

Em uma das declarações que teriam soado mais espinhosas para o governo canadense, McCallum chegou a afirmar, em entrevista a um jornal de Toronto, que “seria ótimo” se o governo americano deixasse de lado a ideia de extraditar Meng. Ele chegou a tentar voltar atrás em algumas de suas falas, alegando ter sido mal interpretado pelos repórteres, mas o estrago já estava feito e era grande o bastante para que seu cargo fosse exigido pelo primeiro ministro.

De acordo com o comunicado emitido por Trudeau, o Canadá passa agora a ser representado em Pequim por Jim Nickel, que já era parte da missão diplomática no país e atuava como seu diretor geral. No texto, o político agradeceu a McCallum por suas duas décadas de serviço e disse que ele permanece como uma inspiração para o povo canadense.

Fonte: Prime Minister of Canada, The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.