Espionagem: embaixador terá que trazer explicações por escrito da Casa Branca

Por Redação | 03.09.2013 às 11:45

Thomas Shannon, o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, foi convocado pelo governo de Dilma Rousseff para dar algumas explicações formais sobre a espionagem norte-americana que tinha como alvo a presidente e seus assessores. Shannon terá que apresentar explicações por escrito da Casa Branca ainda nesta semana.

Durante a conversa, que aconteceu na última segunda-feira (02), o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, falou com o embaixador sobre a "indignação do governo brasileiro com a violação das comunicações da Presidente da República", conforme revela a Agência Estado.

O ministro conta que Shannon ouviu tudo o que foi dito por ele praticamente calado, e garantiu que ele entendeu o recado. "Muitas vezes se acha que diplomacia e dar um jeito explicar as coisas de forma sinuosa. Não é não. Quando as coisas tem que ser ditas de forma clara, elas são", afirmou Figueiredo.

Ao sair da reunião, Shannon garantiu que iria imediatamente reportar tudo o que ouviu para a Casa Branca, a fim de obter a resposta formal do presidente Barack Obama. Ainda não se sabe exatamente o que o governo brasileiro pretende fazer com essa resposta, mas a Agência Estado diz que o Itamaraty "não quer tratar de eventuais retaliações ou quaisquer outras medidas que não sejam pressões em fóruns internacionais".

O embaixador dos Estados Unidos no Brasil já havia sido convocado pelo governo para prestar explicações sobre o caso de espionagem há menos de dois meses, mas o estopim dessa vez foi a revelação sobre o possível monitoramento das comunicações da presidente Dilma Rousseff e de todos seus assessores próximos.

Em uma matéria apresentada no último domingo pela TV Globo, o jornalista britânico do The Guardian que mora no Rio de Janeiro, Glenn Greenwald, apresentou um documento entregue a ele por Snowden na primeira semana de junho, com provas de que a NSA gostaria de "melhorar a compreensão dos métodos de comunicação e dos interlocutores da presidente do Brasil, Dilma Rousseff, e seus principais assessores".