Vïdeo mostra satélite antigo da NASA se desintegrando na atmosfera; assista!

Por Danielle Cassita | 02 de Setembro de 2020 às 18h00
B. Levionnois and P. Jenniskens (NASA / SETI Institute)
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

No final de agosto, funcionários da NASA comunicaram que o satélite OGO-1, aposentado há quase 50 anos, estava prestes a cair, o que aconteceria no último sábado (29). De fato, o satélite voltou para casa, e observadores conseguiram filmar a queda até o satélite se desintegrar na atmosfera, caindo em pedaços pelos céus do Taiti.

Um grupo de observadores da comunidade PYF Spotters — que tem o costume de observar, na verdade, aviões em ação — filmou a reentrada do satélite na Terra. Este é um grande feito, uma vez que filmar a reentrada de satélites é algo bastante complicado devido às incertezas envolvidas: não dá para saber o local exato onde a queda irá ocorrer, e pode haver fenômenos que impeçam a observação no momento. Confira o vídeo da queda:

Satellite OGO-1 entering and disintegrating in the Polynesian sky. 29/08/2020

29/08/2020. Grâce aux informations de l'Association Proscience peut-être avez-vous pu observer le satellite OGO-1 entrant et se désintégrant dans le ciel Polynésien. Si ça n'est pas le cas, voici une petite vidéo! OGO-1 était un satellite lancé en 1964 et qui a fini son exploitation en 1971.

Publicado por PYF Spotters em Sábado, 29 de agosto de 2020

O satélite foi lançado em 1964 pela NASA, em uma missão que tinha o objetivo de estudar a magnetosfera do nosso planeta, e foi o primeiro do programa OGO. A missão se encerrou em 1971, mas o satélite se manteve em órbita desde então. Assim, o OGO-1 chamou recentemente a atenção da agência espacial quando pesquisadores do observatório Catalina Sky Survey o encontraram em 25 de agosto, enquanto procuravam asteroides que pudessem impactar a Terra.

Gianluca Masi, membro do projeto Virtual Telescope Project, conseguiu registrar imagens da final da existência do OGO-1. Veja a imagem abaixo, que mostra o satélite como um ponto estático em meio ao rastro das estrelas:

A seta indica o satélite (Imagem: Gianluca Masi/Virtual Telescope Project)

A destruição na atmosfera é um procedimento normal para equipamentos espaciais que chegam ao final de suas vidas úteis. Entretanto, o fim do OGO-1 também levanta alguns pontos a serem pensados sobre o lixo espacial e outros satélites já estão obsoletos, mas que continuam em órbita e, por isso, podem representar riscos.

Fonte: CNet

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.