Veja as emissões de um buraco negro supermassivo nesta imagem de tirar o fôlego

Veja as emissões de um buraco negro supermassivo nesta imagem de tirar o fôlego

Por Daniele Cavalcante | Editado por Patrícia Gnipper | 23 de Dezembro de 2021 às 13h10
Ben McKinley/ICRAR/Curtin e Connor Matherne

O buraco negro supermassivo no centro da galáxia Centaurus A ganhou uma imagem impressionante. Exibindo lóbulos incríveis de emissão de ondas de rádio, a “foto” é a imagem mais abrangente já obtida desse objeto, e faz parte de um novo estudo sobre o ambiente das radiogaláxias.

Buraco negro central da Centaurus A

Localizada a cerca de 12 milhões de anos-luz de distância, esta é uma radiogaláxia ativa que emite um jato perpendicular ao disco galáctico. Essa emissão é resultado do processo de “alimentação” do buraco negro e, nesta imagem, ela é fotografada em comprimentos de ondas de rádio.

À medida que matéria circunvizinha cai no buraco negro, as partículas são aceleradas e aquecidas até se transformarem em um disco de plasma ao redor do objeto. Parte desse plasma é conduzido pelos campos magnéticos complexos do buraco negro em direção aos seus polos e ejetada na forma de jatos.

Esses jatos se movem em velocidade relativística, isto é, comparável à velocidade da luz. No caso da Centaurus A, os jatos têm metade da velocidade da luz — o que é muita coisa! O buraco negro central tem 55 milhões de massas solares.

A galáxia Centaurus A é apenas uma pequena região no centro desta imagem, enquanto os pontos ao fundo são outras radiogaláxias semelhantes a esta (Imagem: Reprodução/Ben McKinley/ICRAR/ Curtin e Connor Matherne/Louisiana State University)

Na imagem acima, a galáxia gigante ocupa apenas um pequeno pedaço no centro da formação fabulosa. Os pontos ao fundo não são estrelas, e sim galáxias de rádio parecidas com Centaurus A, bem mais distantes.

De acordo com os autores do estudo que gerou a imagem, o buraco negro emite esses jatos a distâncias de mais de um milhão de anos-luz. “As observações anteriores de rádio não conseguiram lidar com o brilho extremo dos jatos e os detalhes da área maior ao redor da galáxia foram distorcidos, mas nossa nova imagem supera essas limitações”, disseram.

A pesquisa por trás da imagem

O astrofísico Dr. Massimo Gaspari, do Instituto Nacional de Astrofísica da Itália, disse que o novo estudo por trás da imagem sustenta uma nova ideia conhecida como Acreção Caótica Fria. “Neste modelo, nuvens de gás frio se condensam no halo galáctico e chovem sobre as regiões centrais, alimentando o buraco negro supermassivo”, disse ele.

Essa “chuva” de gás frio causa uma reação no buraco negro, que devolve energia através dos jatos. Esse modelo cria um cenário com um clima ainda mais rico e complexo ao redor dos buracos negros supermassivos nas galáxias ativas. Em alguns pontos luminosos da imagem, por exemplo, “partículas carregadas foram reaceleradas e estão interagindo com campos magnéticos fortes”.

O estudo será publicado na Nature Astronomy.

Fonte: ICRAR

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.