Stephen Hawking prevê catástrofes e pede que a humanidade habite outros planetas

Por Redação | 22.06.2017 às 06:46

Pensando no futuro da humanidade, Stephen Hawking está alertando os países para que astronautas sejam enviados à Lua até 2020. Segundo suas previsões, também é necessária a construção de uma base lunar nos próximos 30 anos e colonizar Marte até 2025. "Essa expansão para o espaço pode mudar completamente o futuro da humanidade", anunciou o físico.

Para Hawking, é importante tratar das questões urgentes da Terra, mas garantir o futuro das pessoas depende da exploração espacial. "Não estou negando a importância de lutar contra o aquecimento global e as mudanças climáticas aqui, ao contrário do que fez Donald Trump, que pode ter tomado a decisão mais séria e errada sobre esse tema que o mundo poderia esperar", explicou. Porém, justamente por conta desses fatores, o planeta está sob ameaça - justificativa do cientista para a necessidade de ocupação de locais extraterrestres.

"Estamos ficando sem espaço aqui e os únicos lugares disponíveis para irmos estão em outros planetas, outros universos. É hora de explorar outros sistemas solares. Tentar se espalhar por aí talvez seja a única estratégia que pode nos salvar de nós mesmos. Estou convencido de que os seres humanos precisam sair da Terra", reiterou Stephen Hawking.

O físico acredita, ainda, que o objetivo comum de salvar a humanidade a partir da criação de bases fora da Terra uniria as nações. "Deixar a Terra exige uma movimentação global, todos devem estar juntos nisso. Precisamos fazer renascer a empolgação dos primórdios das viagens espaciais, na década de 1960", completou.

Segundo suas perspectivas, além das ameaças como aquecimento global e falta de recursos, nosso planeta pode ser atingido novamente por um asteroide ou ser engolido pelo Sol. Portanto, o futuro das espécies terrestres parece ser catastrófico, pelo menos de acordo com o cientista. "Se a humanidade quiser continuar (a viver) por mais milhões de anos, nosso futuro residirá na ousadia de ir onde ninguém mais ousou ir. Espero que seja para o melhor. Nós não temos outra opção."

Via BBC